Estado já controla 33% da operadora SIRESP

  • ECO
  • 20 Abril 2019

O Estado já controla 33% da operadora que gere a rede SIRESP, através da Parvalorem. Posição foi comprada à Galilei.

O Estado já é dono de 33% do SIRESP, empresa da qual a Altice é a principal acionista e que gere a polémica rede de comunicações de emergência. A participação, anteriormente detida pela Galilei, passou para a esfera pública no final do ano passado e permite ao Governo a nomeação do presidente da companhia e de três administradores executivos.

Apesar de já ser acionista do SIRESP, ainda não existem dados sobre o que mudou na empresa e o Estado ainda não publicou qualquer nomeação para o comité executivo da companhia. A notícia foi avançada pelo Público (acesso pago) este sábado.

O jornal salienta que este não foi um negócio de fácil concretização e cita fonte oficial do gabinete do ministro Mário Centeno, que confirmou que “a participação de 33% do capital social da operadora SIRESP já se encontra na esfera do Estado desde o ano passado, através da Parvalorem”. Neste momento, está “a ser ultimado o procedimento da transferência dessa participação para a Direção-Geral do Tesouro e Finanças”, refere a mesma fonte.

O negócio acontece mais de um ano depois de o Governo, através do ministro Eduardo Cabrita, ter prometido que o Estado iria controlar a empresa gestora da rede de comunicações de emergência, através de uma posição maioritária de 54%. Pouco depois, a Altice antecipou-se e comprou a participação da Esegur e da Datacomp, passando a controlar a companhia.

A rede SIRESP provocou polémica devido às sucessivas falhas que registou durante o grave incêndio que afetou a região de Pedrógão Grande em 2017.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado já controla 33% da operadora SIRESP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião