Do auto-retrato à mala de luxo. Estes foram os presentes oferecidos a Donald Trump

Da mala da Louis Vuitton ao taco de golfe, passando pelo retrato de si próprio. Estes foram os presentes oferecidos a Donald Trump nas visitas oficiais do presidente.

Um taco de golfe, uma mala Louis Vuitton e até um retrato de si próprio com moldura em ouro. Estes foram alguns dos presentes que Donald Trump recebeu em visitas de Estado no ano de 2018, revelou o Departamento de Estado norte-americano.

Sempre que há uma visita oficial, os chefes de Estado têm por hábito trocar presentes. Por norma, o objetivo é tentar impressionar, ainda que, muitas vezes, as ofertas acabem expostas em museus… ou mesmo destruídas pelos serviços secretos.

Mas, afinal, que tipo de presente é capaz de impressionar Donald Trump? Foram várias as opções. Por exemplo, Emmanuel Macron ofereceu uma mala de golfe de luxo, da conhecida marca francesa Louis Vuitton, bem como e algumas fotografias. Os presentes foram avaliados em 8.275 dólares, segundo a Bloomberg (acesso condicionado).

E como Trump é um conhecido fã de golfe, os presentes refletem isso mesmo. Tarzisius Caviezel, presidente da Câmara de Davos (Suíça), ofereceu-lhe um taco avaliado em 540 dólares. Já o primeiro-ministro do Vietname, Nguyen Xuan Phuc, arriscou oferecer ao presidente um retrato do próprio Trump com moldura em ouro.

As ofertas incluem ainda botas de couro, presenteadas pelo ex-primeiro ministro australiano Malcolm Turnbull e avaliadas em 545 dólares, assim como um bloco retangular de pedra a simbolizar Jerusalém como capital de Israel, avaliado em 600 dólares, e uma escultura de uma baleia por parte do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau.

A generalidade das ofertas foram transferidas para o Arquivo Nacional, como exige a lei norte-americana. Mas não todas. Segundo a agência, os serviços secretos tiveram de destruir um relógio que o príncipe herdeiro do Bahrein, Salman Isa Al Khalifa, ofereceu ao vice-presidente, Mike Pence. Em causa, a suspeita de que o artefacto pudesse ser um dispositivo de espionagem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Do auto-retrato à mala de luxo. Estes foram os presentes oferecidos a Donald Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião