Facebook debaixo de fogo por falha na segurança que expôs dados de milhões de utilizadores

  • ECO e Lusa
  • 20 Março 2018

Informação de 50 milhões de utilizadores do Facebook terá ficado na posse de uma empresa de estudos de mercado, que a terá usado para ajudar a eleger Donald Trump.

O Facebook está sob críticas, depois de se saber que uma empresa de estudos de mercados que trabalhou para a campanha eleitoral de Donald Trump ficou de posse de informação pessoal de 50 milhões de utilizadores desta rede social.

No fecho da sessão bolsista em Nova Iorque, o Facebook apresentou uma desvalorização de 6,76%, na que é a sua queda mais forte num único dia desde março de 2014, arrastando outras empresas do setor, como Alphabet (-3,03%), Amazon (-1,70%), Netflix (-1,56%), Twitter (-1,60%) ou Snapchat (-3,47%).

A queda nas ações da rede social ocorreu depois de os jornais New York Times e Guardian noticiarem que a empresa Cambridge Analytica foi capaz de aceder a informação pessoal de mais de 50 milhões de utilizadores do Facebook, sem a permissão destes. Deputados norte-americanos e europeus criticaram o Facebook e querem saber o que aconteceu.

Os investidores receiam que empresas como o Facebook e a Alphabet venham a enfrentar uma regulação mais apertada. Daniel Ives, diretor de Estratégia e da investigação em tecnologia na GBH Insights, afirmou que o Facebook está em crise e que vai ter de trabalhar duro para tranquilizar utilizadores, investidores e governos. “Este é um momento de definição para eles”, disse, especulando que “ou não passa de um pico no radar e ajuda a plataforma a crescer ou pode tornar-se o início de algo maior”.

Ao fim do dia de sexta-feira, a rede social liderada por Mark Zuckerberg anunciou que tinha banido a Cambridge Analytica e respetiva holding da sua plataforma. Adiantou que a Cambridge obteve informação de 270 mil pessoas que descarregaram uma alegada aplicação (app) descrita como um teste de personalidade. Um antigo funcionário da Cambridge revelou que esta foi capaz de obter informação de dezenas de milhões de outros utilizadores que eram amigos dos que descarregaram a app.

O Facebook soube da falha na segurança há mais de dois anos, mas não a revelou. A empresa também informou recentemente que tinha recebido um relatório segundo o qual a Cambridge Analytica não apagou toda a informação que tinha obtido do Facebook, algo que a rede social adiantou que a empresa garantiu que tinha feito.

A senadora Amy Klobuchar, eleita pelo Estado do Minnesota, afirmou que o presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, deve testemunhar no Senado e deputados do Reino Unido e da União Europeia também já defenderam a realização de inquéritos. Na segunda-feira, a rede social divulgou que tinha contratado uma auditoria à Cambridge.

Ives, da GBH, comentou que os investidores de Wall Street estão mais preocupados com esta situação do que com questões como a divulgação de notícias falsas pela plataforma Facebook. Isto porque a Cambridge acedeu alegadamente a informação pessoal de um grande número de utilizadores e porque a reação sugere que o Facebook pode enfrentar um controlo mais apertado e perder utilizadores, anunciantes ou receitas de publicidade. Ainda segundo este analista, o Facebook pode ter em risco cinco mil milhões de dólares (quatro mil milhões de euros) de receitas anuais, além de que pode criar problemas para outras empresas tecnológicas, como o Twitter ou o YouTube, da Alphabet.

Autoridades do Reino Unido vão pedir acesso a servidores da Cambridge Analytica

A comissária de informação do Reino Unido disse que vai pedir o acesso aos servidores da Cambridge Analytica, que alegadamente usou dados extraídos do Facebook para ajudar Donald Trump a vencer as eleições presidenciais de 2016.

A Comissária Elizabeth Denham disse, em comunicado, que a empresa britânica não colaborou na sua investigação sobre se os dados do Facebook eram “adquiridos e usados ilegalmente”. Denham frisou: “Esta é uma investigação complexa e de longo alcance para o meu escritório, e quaisquer ações criminais ou civis de execução decorrentes dela serão perseguidas vigorosamente”.

Os dados da Comissão Eleitoral Federal mostram que a empresa Cambridge Analytica, que poderá ter obtido inapropriadamente dados do Facebook, ganhou milhões dólares em 2016 com a campanha para eleger Donald Trump para presidente. Cambridge está sob suspeita depois da noticia de que manipulou com fins políticos informação de mais de 50 milhões de utilizadores da Facebook nos EUA. A empresa é financiada em parte pelo patrocinador do Trump e pelo bilionário financeiro Robert Mercer.

Comentários ({{ total }})

Facebook debaixo de fogo por falha na segurança que expôs dados de milhões de utilizadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião