Início de Rio “não correu tão mal como as pessoas dizem”, afirma novo secretário-geral do PSD

José Silvano garante que tem um só objetivo: unir o partido para ganhar as próximas eleições. E traçou o seu perfil: "Concretizar, ajudar, resolver e pouco falar".

José Silvano, o escolhido por Rui Rio para ser o próximo secretário-geral do PSD, defendeu a nova liderança do partido. Tendo apoiado Rio nas eleições internas, o deputado social-democrata sobe agora na hierarquia interna do partido e argumenta que o início do mandato de Rio “não correu tão mal como as pessoas dizem”. E traçou o seu perfil idêntico ao do líder: “Concretizar, ajudar, resolver e pouco falar“, descreveu, na primeira conferência de imprensa que dá enquanto secretário-geral do PSD.

“Tenho o objetivo único de unir o PSD para ganhar as próximas eleições e chegar novamente ao poder em 2019”, afirmou José Silvano, anunciando ao que vem, em declarações transmitidas pela RTP3. O substituto de Feliciano Barreiras Duarte diz que não terá “medo de nada e de ninguém”. Na sua opinião, “não há nenhum dirigente que não tenha esse objetivo” e, por isso, afasta um cenário em que o seu nome não reúna o apoio do Conselho Nacional, órgão do PSD em que Rio não tem maioria.

Silvano garante que quer unir e que terá “respeito por todos e por todas as convicções”. Para os próximos tempos, a “primeira prioridade é as legislativas” do próximo ano, prevendo um “futuro radiante” para o partido. Para ajudar a atingir os objetivos, o deputado social-democrata quer apostar na “proximidade”, no trabalho “no terreno” e “afirmar o PSD na sociedade civil”.

Tenho o objetivo único de unir o PSD para ganhar as próximas eleições e chegar novamente ao poder em 2019.

José Silvano

Secretário-geral do PSD

“Concretizar, ajudar, resolver e pouco falar, é este o meu perfil. Com isso ganhei eleições e espero trazer uma mais-valia para o PSD”, afirmou José Silvano, assinalando que não irá entrar em “intrigas”. Um perfil idêntico ao do atual líder que, segundo o deputado, está a ter um início menos negativo do que aquele projetado publicamente. “Não correu tão mal como as pessoas dizem”, garantiu, argumentando que basta olhar para os resultados das sondagens“.

Esta segunda-feira o PSD anunciou que Rui Rio escolheu José Silvano para ser o novo secretário-geral, lugar deixado vago por Barreiras Duarte. Segundo o comunicado dos social-democratas enviado às redações, o deputado “começará a exercer funções de imediato no partido”. No entanto, essa nomeação terá de ser ratificada pela Comissão Política Nacional, no dia 28 de março, e no Conselho Nacional do PSD, onde o nome do deputado poderá não reunir o apoio da maioria.

(Correção do título às 18h35)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Início de Rio “não correu tão mal como as pessoas dizem”, afirma novo secretário-geral do PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião