Zuckerberg pede desculpa no Facebook: “Cometemos erros”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 21 Março 2018

Após quase quatro dias de silêncio, o "pai" do Facebook veio a público falar sobre o escândalo que junta a sua rede social e a empresa de análise política Cambridge Analytica.

Após quase quatro dias de silêncio, o “pai” do Facebook veio a público falar sobre o escândalo que junta a sua rede social e a empresa de análise política Cambridge Analytica. “Temos a responsabilidade de proteger os vossos dados e se não conseguimos então não merecemos servir-vos”, afirmou Mark Zuckerberg num post no seu perfil de Facebook.

“Temos estado a trabalhar para perceber exatamente o que aconteceu e garantir que não volta a acontecer”, continua. “A boa notícia é que as ações de prevenção mais importantes que podemos tomar já foram tomadas há muitos anos. Mas também cometemos erros, há mais a fazer e temos de acelerar e fazê-lo.”

Fazendo uma cronologia dos acontecimentos, Zuckerberg conta que um analista da empresa fez um perfil falso e criou uma aplicação de quizzes que foi instalada por mais de 300 mil pessoas e que angariou os dados desses utilizadores e dos seus amigos. Isto em 2013.

Já em 2014, a rede social quis prevenir comportamentos abusivos por parte destas aplicações de terceiros, mas já era tarde. O analista já tinha partilhado todos os dados agregados com a Cambridge Analytica, sem o consentimento dos seus donos. O utilizador foi banido e a Facebook “certificou-se formalmente” de que a informação iria ser apagada, o que não aconteceu.

“Isto foi uma quebra de confiança entre Kogan [o analista], a Cambridge Analytica e o Facebook. Mas foi também uma quebra de confiança entre o Facebook e as pessoas que partilham a sua informação connosco e esperam que nós a protejamos. E temos de reparar isso”, apontou Zuckerberg.

O caminho foi também delineado na publicação, sendo que começa pela investigação de todas as aplicações que têm acesso a grandes quantidades de informação. Caso os developers não concordem com isto, serão banidos. Depois, o acesso à informação também vai ser restringido.

Já no site oficial da rede social, são apontados seis passos para que isto não volte a acontecer: rever a plataforma, alertar as pessoas para o mau uso da informação, desligar o acesso das apps que não são utilizadas, restringir os dados do login com o Facebook, encorajar as pessoas a gerir as aplicações que utilizam e premiar os utilizadores que encontrem vulnerabilidades.

“Quero agradecer a todos os que continuam a acreditar na nossa missão e trabalham em união para construir esta comunidade. Sei que demora mais tempo a reparar estes assuntos do que nós gostaríamos, mas prometo que vamos resolver tudo e construir um serviço melhor a longo prazo“, concluiu o criador da rede social no seu post.

(Notícia atualizada pela última vez às 21h43 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zuckerberg pede desculpa no Facebook: “Cometemos erros”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião