Facebook já vale menos de 500 mil milhões. Wall Street cai

  • Ana Batalha Oliveira
  • 21 Março 2018

Os títulos da gigante tecnológica continuam a pesar nas bolsas norte-americanos. Os investidores retraem-se, também, com o final da reunião da Fed à vista.

Wall Street abriu no vermelho, com as tecnológicas a pesarem. O Facebook acentua a tendência, com uma queda de quase 2% — já perdeu mais de 10% desde o início da semana. Os investidores retraem-se também à espera das conclusões da reunião da Fed, que termina esta quarta-feira.

Em Nova Iorque, o Nasdaq é o índice que apresenta maiores perdas no início de sessão: cai 0,21% para os 7.349 pontos. O S&P 500 sente o abalo e desce 0,09% aos 2.714,51 pontos. Só o industrial Dow Jones conseguiu espreitar acima da linha de água, com uma subida de 0,03% para os 24.735,77 pontos, para depois inverter e registar quebras na ordem dos 0,10%.

O Facebook continua a ter, desta forma, um impacto negativo na bolsa: cai 2,59%, que somam aos 2,56% da sessão anterior e aos 6,77% de segunda-feira. O preço das ações, agora nos 163,30 dólares, é afetado pela falha na segurança que expôs dados de milhões de utilizadores. Desta forma, a tecnológica cai da fasquia dos 500 mil milhões de dólares, ficando com um valor de mercado de apenas 488,48 mil milhões. Já o Twitter, que só na sessão anterior perdeu quase tanto como o Facebook durante esta semana — 10,38% — encontra-se em forte recuperação, com uma subida de 3,38%.

Mas a empresa de Mark Zuckerberg não é a única fonte de preocupação entre os investidores. “Verificaremos um pouco mais de receio esta manhã, direcionado à reunião da Fed. Ele [Jerome Powell, Governador da Fed] vai ser questionado acerca de tarifas e as implicações para a economia e para as políticas da Fed”, observa um analista consultado pela Reuters. “Tem existido uma preocupação intermitente. O medo de uma guerra comercial poderá ser interrompido por alguma esperança de que o impacto não seja tão grande ou mais limitado”, explica a mesma fonte.

Termina esta quarta-feira a reunião da Fed, a primeira liderada por Jerome Powell. Desta reunião poderá sair uma nova subida da taxa de juro de referência nos EUA, dando cumprimento às expectativas do investidores. Os mercados estarão também atentos às novas previsões do banco central norte-americano tanto para a inflação como para o ritmo de crescimento da economia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook já vale menos de 500 mil milhões. Wall Street cai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião