Empresas portuguesas estimam mais 14% de contratações entre abril e junho

  • Lusa
  • 24 Março 2018

Entre abril e junho deste ano, as empresas esperam aumentar em 14% as contratações. Destaque vai para a restauração e hotelaria na região sul do país, revela estudo da ManpowerGroup.

Empresas portuguesas inquiridas num estudo sobre emprego estimaram uma subida de 14% na criação líquida de postos de trabalho entre abril e junho deste ano, destacando-se o setor da restauração e hotelaria e a região sul do país.

“A previsão para o segundo trimestre de 2018 em Portugal é de mais 14%” na criação líquida de emprego, subida que segue “em linha com o registado no trimestre anterior e ligeiramente melhor do que o registado no trimestre homólogo”, divulgou hoje o ManpowerGroup.

Esta percentagem tem em conta os empregadores que afirmaram querer aumentar (16%) e reduzir (2%) o número de colaboradores no ManpowerGroup Employment Outlook Survey, inquérito feito a 626 empresas portuguesas para perceber “quais as alterações que [as companhias] preveem para o emprego na sua região” entre abril e junho, em comparação com o atual trimestre. Por seu lado, 77% das empresas questionadas não projetou alterações nos níveis de contratação.

O estudo, divulgado este sábado, demonstrou também “projeções positivas em todas as regiões e todos os setores de atividade”.

No que toca aos setores de atividade, “o setor com maior projeção para a criação líquida de emprego é o setor de restauração e hotelaria, com uma previsão de 29%”, seguindo-se as áreas dos transportes, logística e comunicações (22%), da agricultura, florestas e pescas (19%), das finanças, seguros, imobiliário e serviços (18%), o setor público (14%) e a indústria (12%).

“Por oposição, o setor com a projeção mais cautelosa é o de comércio grossista e retalhista, com uma previsão de 5%”, precisa o ManpowerGroup, acrescentando que “em cinco dos nove setores são apontadas melhorias nos níveis de contratação face ao trimestre anterior”.

Aludindo aos níveis de contratação face ao trimestre anterior, a empresa fala em melhorias de 20 pontos percentuais no setor da restauração e hotelaria e de quatro pontos percentuais no setor das finanças, seguros, imobiliário e serviços. Em sentido inverso, “preveem-se decréscimos consideráveis em quatro setores, com maior visibilidade nos setores de transportes, logística e comunicações e de comércio grossista e retalhista, com diminuições de 8% e 5% respetivamente”, lê-se no estudo.

A nível geográfico, as empresas do Norte, Centro e Sul antecipam aumentos na contratação nos próximos três meses, sendo que as melhores perspetivas “são as dos empregadores a Sul, que projetam uma criação líquida de emprego de 18%”. Nas restantes – Centro e Norte – preveem-se acréscimos de 13%. Ainda assim, segundo o ManpowerGroup, “as intenções de contratação das regiões Centro e Sul não registam alterações face aos resultados do primeiro trimestre do ano”, com os resultados no Norte a terem alterações, mas “muito ligeiras”.

As projeções para criação líquida de emprego são mais significativas nas grandes empresas (34%), seguindo-se médias (16%), as pequenas (13%) e as microempresas (4%).

De acordo com a responsável pelo ManpowerGroup em Portugal, Carla Marques, estes resultados “indicam que o ritmo de contratação em Portugal se manterá positivo nos próximos três meses, dando continuidade aos indicadores verificados neste início de ano”, significando também “boas perspetivas para os candidatos ativos na procura de emprego”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas portuguesas estimam mais 14% de contratações entre abril e junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião