Mudança da hora: e se Portugal acordasse com o fuso horário de Nova Iorque?

  • Ana Batalha Oliveira
  • 24 Março 2018

A hora vai mudar este domingo, algo obrigatório na UE -- já trocar para o fuso horário de Nova Iorque, é possível. Por cá, há uma "Comissão da Hora" para avaliar. Conheça estas e outras curiosidades.

Este domingo muda a hora. É só, literalmente, uma hora a mais nos relógios, mas a questão não é assim tão simples — que o diga o presidente da Comissão Permanente da Hora em Portugal, Rui Jorge Agostinho. Esta comissão existe para ajudar o Governo quando o assunto é a mudança de hora, numa altura em que a discussão está lançada na Europa. Para já, Portugal é obrigado pela UE a avançar os ponteiros, mas o fuso horário é uma decisão política. “Posso querer viver à hora de Nova Iorque“, ilustra Rui Agostinho. O exemplo é irrealista, mas Portugal já esteve alinhado com a Alemanha.

Eder Pozo Pérez // Unsplash

Se os portugueses quisessem acordar ao mesmo tempo que os nova-iorquinos, a medida só estaria sujeita à votação dos deputados no Parlamento e, depois, ao sim de Belém, como qualquer decreto-lei, explica o professor Rui Agostinho. Já quando chega ao verão, os países da UE concordaram “acertar-se” e rodar os ponteiros no mesmo sentido. A Comissão Europeia está agora a fazer uma avaliação cautelosa desta prática secular.

Em Lisboa, seria a Comissão Permanente da Hora a proceder ao mesmo estudo, se necessário. É “um órgão consultivo do Governo da República, depende do Observatório Astronómico de Lisboa e tem por finalidade estudar, propor e fazer cumprir as medidas de natureza científica e regulamentar ligadas ao regime de hora legal e aos problemas da hora científica”, lê-se no site. Rui Agostinho é o diretor do Observatório Astronómico de Lisboa, e por isso foi nomeado presidente da comissão. É acompanhado pelo membro mais antigo do Observatório e, finalmente, por representantes de todos os ministérios.

Em Portugal, a mudança acontece à 01h00 da manhã da madrugada deste domingo, 25 de março. Contudo, “os países podem mudar a hora em dias diferentes, durante três semanas”, explica José Afonso, que trabalha no Observatório Astronómico de Lisboa. “Isto, para os países que o fazem. O Havai, que tem um clima bastante temperado, não sente necessidade. Perto da linha do Equador nenhum país faz a mudança“, assinala o especialista. “Queremos o meio-dia à altura do ponto mais alto do sol”, e estes países são os que menos sentem alterações na posição relativa do sol, acrescenta.

Hora científica vs hora social

Há a hora científica — a dada pelo sol — e depois, a hora social, que está sujeita aos interesses“, retorna Rui Agostinho. Mas que interesses podem existir por detrás das horas? “Se faço muitos negócios com Espanha, é conveniente o horário espanhol. Se tenho muitos visitantes alemães, já prefiro coordenar com as horas alemãs”, ilustra o professor. Em termos de luz solar, o horário de Nova Iorque não faria qualquer sentido. Mas os portugueses já tiveram de viver no fuso alemão, sem se habituarem: “No passado chegámos a adotar a hora da Europa central”, conta o professor. “No início do inverno havia estrelas no céu às 8h da manhã, o que afetava a produtividade e às 23h ainda havia luz solar, que não deixava dormir”. Os portugueses recuaram passados cerca de três anos.

O ruído criado pela mudança da hora sobrepõe-se ao tiquetaque dos relógios. Os estudos apontam como efeitos os problemas de sono, stress e até ataques cardíacos. Mas “não existe uma certeza” relata José Afonso. Por este motivo, “o horário de verão não faz grande sentido”, opina, sobretudo tendo em conta que a poupança de energia é residual. “Quando o consumo era determinado pelas lâmpadas, justificava-se. Hoje, aparelhos de ar condicionado, computadores e frigoríficos ficam ligados todo o dia”, aponta.

Quer ser pontual? Tente a Apple, diz a “Comissão da Hora”

O Observatório Astronómico de Lisboa está o “relógio fundamental”, um relógio atómico que é acertado à distância — mais propriamente a partir do espaço, através de um GPS –, de forma de garantir que está certo e coordenado com os do restante globo. A precisão vem com várias casas decimais: é de 0,0000000001 segundos. E pode ser consultado online, sendo que informa também do desfasamento para a hora do dispositivo a partir de onde se acede.

O relógio de pulso da Apple utiliza o Network Time Protocol (NTP), pelo que está sempre a atualizar a hora”, exemplifica Rui. Está ao nível da bolsa de valores, que também usa o mesmo sistema, à semelhança de qualquer entidade onde o tempo seja crucial. Já os computadores Windows só atualizam a hora cerca de uma vez por semana pelo que são menos eficientes.

Para os restantes é preciso não esquecer: os ponteiros do relógio avançam uma hora às 01h00 da manhã da madrugada deste domingo, 25 de março.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Mudança da hora: e se Portugal acordasse com o fuso horário de Nova Iorque?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião