Montepio avaliado em 1.600 milhões de euros, diz estudo da Santa Casa

Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, admite que o Montepio vale menos do que o que diz a Mutualista. Vai ficar com 1%, mas nomeia dois administradores.

Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), admite que o Montepio vale menos do que o que diz a Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG). O estudo encomendado ao Haitong aponta para um valor de 1.600 a 1.700 milhões de euros. A SCML vai comprar 1%, mas nomeia dois administradores não executivos para o banco liderado por Carlos Tavares.

“O estudo [encomendado ao Haitong] diz que o Montepio tem um valor um pouco abaixo do que diz a AMMG“, liderada por Tomás Correia, refere Edmundo Martinho, em entrevista à SIC Notícias. “O estudo aponta para um valor entre 1.600 e 1.700 milhões de euros”, revelou o responsável máximo pela SCML, revelando um valor que até agora era desconhecido. A AMMG avalia o banco em pouco mais de 1.800 milhões.

A SCML vai investir entre “18 a 20 milhões de euros” no Montepio, reiterou o provedor. Este valor será pago por 1% do Montepio, o que avalia a instituição acima daquela que foi a avaliação feita pelo banco de investimento que a SCML contratou. A par da SCML deverão entrar outras misericórdias, bem como IPSS, que, contudo, apontam para investimentos simbólicos, apenas para passarem a mensagem de que querem um banco social.

“O estudo era uma das condições para a SCML entrar” no capital do banco. E o “estudo recomenda prudência no investimento“, diz Edmundo Martinho. Essa prudência traduz-se na “forma como entramos, nos montantes que se investem”, diz. Mas “não fez recuar” a SCML, acrescenta, salientando que a “SCML sempre disse que não ia além dos 10%”, sendo que os 200 milhões aventados nunca estiveram em cima da mesa.

"O estudo [encomendado ao Haitong] diz que o Montepio tem um valor um pouco abaixo do que diz a AMMG. Aponta para um valor entre 1.600 e 1.700 milhões de euros.”

Edmundo Martinho

Provedor da SCML

“Prudência é assumir 1%” do Montepio, remata, salientando que “este tipo de intervenção no banco não é uma originalidade”. Edmundo Martinho revela que a SCML já “investiu mais de 20 milhões noutros bancos”. “E quando foi a privatização dos CTT, a SCML investiu 40 milhões”, conta. Com este 1%, a SCML vai ter dois administradores não executivos no banco.

“A SCML tem de assegurar que [este investimento] não compromete o papel da SCML”, salientou, isto depois de as críticas feitas pelo presidente do PSD, Rui Rio, que acusou a instituição de utilizar dinheiro dos pobres para limpar as perdas da banca. “Não compromete. Estamos a viver um momento de investimento sem paralelo. A capacidade de investimento não será afetada com este negócio”, remata.

“O Montepio não precisa [de aumentar o capital]. Os rácios do Montepio comparam todos com os outros bancos. Banco não está numa situação de fragilidade”, diz, acrescentando que não é um investimento da dimensão que a SCML vai realizar que “salva um banco”. E também “não é com este valor que que a SCML vai meter-se no negócio da banca”.

Edmundo Martinho, que admite que este “é um negócio mal visto pela sociedade”, defende-o no sentido de criar um banco social, mas também o vê como um investimento, ainda que não tenha o objetivo de lucro rápido.

“O entendimento da SCML é que [a compra de uma posição no Montepio] é um investimento. A SCML não está disponível para entrar e vender amanhã com mais-valias”, diz. Mas há a “perspetiva de que estamos numa circunstância em que a SCML quer garantir a rentabilização dos ativos, investindo 3%” dos ativos totais.

(Notícia atualizada às 19h59 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio avaliado em 1.600 milhões de euros, diz estudo da Santa Casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião