Rendimentos dos políticos sob a lupa de nova “polícia”

  • ECO
  • 26 Março 2018

Parlamento vai criar novo organismo para escrutinar os rendimentos e interesses dos políticos. A Entidade da Transparência teve origem numa proposta do Bloco de Esquerda.

Os rendimentos e os interesses dos políticos vão passar a ser escrutinados por um organismo especial a ser criado pelo Parlamento. A constituição desta espécie de “polícia”, que teve origem numa proposta do Bloco de Esquerda, decorrerá no âmbito da comissão eventual para o reforço da transparência no exercício das funções públicas (CERTEFP). De acordo com o Diário de Notícias, pelo menos à esquerda, há maioria para aprovar esta iniciativa.

Esta nova Entidade da Transparência estará, assim, encarregada de processar todas as declarações de rendimentos e interesses dos políticos (do Presidente da República aos presidentes das juntas de freguesia) e dos titulares de altos cargos públicos abrangidos pela lei.

Além disso, o organismo terá como função a fiscalização da veracidade dessas declarações e, no caso de serem detetadas irregularidades passíveis de, por exemplo, perda de mandato, deverá ser esta polícia a acionar o organismo responsável pela aplicação da sanção em causa.

A Entidade da Transparência será criada na órbita do Tribunal Constitucional, órgão que nomeará os seus três dirigentes.

A par desta iniciativa, está ainda a ser preparada uma medida que pretende reduzir a uma única declaração as obrigações de transparência nos rendimentos e nos interesses — atualmente, os deputados e membros do Governo entregam duas declarações: uma de rendimentos, outra de registo de interesses.

“Esta entidade permitirá uma maior eficácia e resposta ao controlo de incompatibilidades e riqueza dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”, sublinha o Bloco de Esquerda, segundo o mesmo jornal.

Os procuradores do Ministério Público e os magistrados judiciais também serão sujeitos a mudanças. Está previsto que passem também a preencher estas declarações de rendimentos e interesses. Ao contrário dos documentos dos parlamentares e membros do Executivo, as declarações não serão entregues na Entidade da Transparência, mas sim nos respetivos conselhos superiores.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendimentos dos políticos sob a lupa de nova “polícia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião