Rendimentos dos políticos sob a lupa de nova “polícia”

  • ECO
  • 26 Março 2018

Parlamento vai criar novo organismo para escrutinar os rendimentos e interesses dos políticos. A Entidade da Transparência teve origem numa proposta do Bloco de Esquerda.

Os rendimentos e os interesses dos políticos vão passar a ser escrutinados por um organismo especial a ser criado pelo Parlamento. A constituição desta espécie de “polícia”, que teve origem numa proposta do Bloco de Esquerda, decorrerá no âmbito da comissão eventual para o reforço da transparência no exercício das funções públicas (CERTEFP). De acordo com o Diário de Notícias, pelo menos à esquerda, há maioria para aprovar esta iniciativa.

Esta nova Entidade da Transparência estará, assim, encarregada de processar todas as declarações de rendimentos e interesses dos políticos (do Presidente da República aos presidentes das juntas de freguesia) e dos titulares de altos cargos públicos abrangidos pela lei.

Além disso, o organismo terá como função a fiscalização da veracidade dessas declarações e, no caso de serem detetadas irregularidades passíveis de, por exemplo, perda de mandato, deverá ser esta polícia a acionar o organismo responsável pela aplicação da sanção em causa.

A Entidade da Transparência será criada na órbita do Tribunal Constitucional, órgão que nomeará os seus três dirigentes.

A par desta iniciativa, está ainda a ser preparada uma medida que pretende reduzir a uma única declaração as obrigações de transparência nos rendimentos e nos interesses — atualmente, os deputados e membros do Governo entregam duas declarações: uma de rendimentos, outra de registo de interesses.

“Esta entidade permitirá uma maior eficácia e resposta ao controlo de incompatibilidades e riqueza dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”, sublinha o Bloco de Esquerda, segundo o mesmo jornal.

Os procuradores do Ministério Público e os magistrados judiciais também serão sujeitos a mudanças. Está previsto que passem também a preencher estas declarações de rendimentos e interesses. Ao contrário dos documentos dos parlamentares e membros do Executivo, as declarações não serão entregues na Entidade da Transparência, mas sim nos respetivos conselhos superiores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendimentos dos políticos sob a lupa de nova “polícia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião