Imobiliárias espanholas de olho no mercado português

Duas das maiores empresas imobiliárias cotadas em Espanha planeiam apostar no imobiliário português. Mas dizem que é importante que o país crie um regime de REIT.

O mercado imobiliário português continua nos radares de cada vez mais investidores. Desta vez, ainda que aqui ao lado, está na mira de duas das maiores empresas imobiliárias cotadas de Espanha, também conhecidas como REIT. Os responsáveis dessas entidades estão focados essencialmente em ativos de escritórios e comércio, bem como de hotelaria e turismo.

A Merlin Properties pretende aumentar a sua exposição no mercado imobiliário português, uma vez que já é proprietária de várias edifícios de escritórios e de uma galeria comercial. Assim, o foco será o retalho. Por sua vez, a Hispania, pretende estrear-se em Portugal através do imobiliário turístico e hoteleiro. No entanto, embora ambas reconheçam o potencial do mercado português, salientam a necessidade de Portugal em criar um regime de REIT.

Os Real Estate Investment Trust (REIT) são empresas que se dedicam exclusivamente a ativos imobiliários, acabando por funcionar como sociedades de investimento cotadas em bolsa. Atualmente existem em vários países, inclusive Espanha e, por cá, são uma medida reclamada há muito tempo pela indústria imobiliária e financeira. Entre as principais vantagens deste veículo de investimento constam a transparência, a simplificação e a segurança, para além de uma visão a longo prazo. O setor estima que a criação de REITs em Portugal atraia um investimento entre os dez e os 15 milhões de euros.

Se Portugal não legisla os REIT, os investidores terão que investir no nosso mercado através de outros países, com as devidas perdas em termos de receita para o país“, diz Manuel Porta da Costa, da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP), em comunicado.

“Os investidores internacionais querem muito investir em Portugal, mas que procuram fazê-lo através de um formato semelhante ao que têm disponível noutros países. Temos que lhes dar essa estabilidade, porque o custo de oportunidade de não o fazermos pode ser enorme”, disse António Gil Machado, diretor da Iberian Property, um evento do setor que decorreu em Madrid, no qual as empresas mencionaram o interesse em Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imobiliárias espanholas de olho no mercado português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião