Mercado imobiliário cresce. Banca foi o principal financiador

  • Lusa
  • 20 Março 2018

O mercado imobiliário nacional registou um aumento do volume e dos preços de venda o ano passado, tendo sido a banca o principal financiador dessas transações.

O mercado imobiliário em Portugal registou em 2017 um aumento de volume e de preços de venda e a banca foi o principal financiador nas aquisições de imóveis na estratégia de investimento, segundo o estudo da Deloitte.

O Portuguese Real Estate Investment Survey indica que as subidas de volume e de preços registaram-se, sobretudo, nos setores residencial, comércio/serviços e hoteleiro. “Após um início de ano com taxas de rentabilidade em tendência decrescente” houve uma maior estabilização nos quatro setores, lê-se no estudo divulgado esta terça-feira, e que avalia a perceção dos agentes do setor.

Na estratégia de investimento, osvalue added’ (valor acrescentado) demonstraram ser os “ativos com maior potencial”, seguindo-se os ativos ‘core’ (principais), “ainda que com tendência decrescente”. Além da informação de que a banca foi o principal financiador, o estudo refere que a “origem do capital foi maioritariamente europeia” e que se percecionou uma “maior facilidade na captação de fundos e uma redução na duração dos processos de aquisição de ativos”.

Já na estratégia de desinvestimento, os maiores protagonistas foram os ativos ‘core’ e foi notada a “importância dos Fundos de Fundos como principal investidor imobiliário em Portugal, bem como o crescimento das companhias de seguros”. Neste contexto, a origem dos investidores foi maioritariamente europeia e “percecionou-se uma estabilização na captação de fundos e de uma redução na duração dos processos de alienação de ativos”.

Ainda sobre opções estratégicas, destacou-se pelo seu crescimento o investimento (passando de 29% no 1.º trimestre para 36% no 4.º trimestre”. Já a estratégia de gestão de portfólio, “embora muito representativa, apresentou uma ligeira tendência decrescente, igualando no 4º trimestre a de investimento”. Assim, a estratégia de desinvestimento acabou por ter uma quebra, passando de 33% no 1.º trimestre para 28% no 4.º trimestre.

Para 2018, é esperado “um aumento do volume e dos preços de transação por todos os inquiridos no setor comércio/serviços, seguindo-se o hoteleiro (90%) e residencial (80%). “Adicionalmente, espera-se que as taxas de rentabilidade se mantenham nos quatro setores em análise, embora no caso do setor residencial, se possa assistir a uma estagnação ou ligeira redução das mesmas”, lê-se. Segundo a consultora, participaram nesta edição sociedades gestoras de fundos imobiliários, fundos imobiliários, bancos, seguradoras, Private Equity, entre outras empresas e as respostas foram recolhidas durante o ano de 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercado imobiliário cresce. Banca foi o principal financiador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião