Jerónimo Martins recupera de mínimos e puxa por Lisboa

  • Juliana Nogueira Santos
  • 27 Março 2018

A retalhista avançou mais de 2% com a melhoria da recomendação do BNP Paribas. O PSI-20 foi atrás e ganhou mais de 1%.

Após ter caído para mínimos de 2016, a Jerónimo Martins recuperou na sessão desta terça-feira e levou consigo o PSI-20. Na origem da subida esteve a melhoria da recomendação e do preço-alvo da retalhista por parte da BNP Paribas.

Os analistas do banco francês subiram o preço-alvo das ações da retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos para os 18,3 euros, sendo que afirmam que o mercado subestimou a oportunidade de crescimento da Biedronka e a capacidade de suporte da Ara.

Assim, o principal índice bolsista avançou 1,04% para 5.375,09 pontos à boleia da recuperação de 2,07% da Jerónimo Martins, que cota nos 14,52 euros. A EDP e a Galp também acompanharam a retalhista nos ganhos, ao avançarem 1,49% para 2,99 euros e 1,43% para 15,27 euros, respetivamente.

Jerónimo Martins recupera de mínimos

Também a Navigator esteve em destaque nesta sessão, ao avançar 2,54% para máximos históricos. Cota nos 4,84 euros. Já a holding a que pertence a papeleira, a Semapa, ganhou 1,08% para 18,72 euros.

No lado contrário da balança ficaram cinco cotadas: a Ibersol, a Mota Engil, a Pharol, os CTT e a Nos. A queda mais expressiva foi, ainda assim, protagonizada pela empresa que detém a Burguer King e a Pizza Hut em Portugal, ao cair 2,56% para 11,40 euros.

Na Europa, o clima foi de calma, depois do tormento da guerra comercial entre Estados Unidos e China. O Stoxx 600 avançou 1,16%, enquanto o vizinho IBEX 35 valorizou 0,99%. Já o alemão DAX ganhou 1,56%.

(Notícia atualizada às 17h00 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins recupera de mínimos e puxa por Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião