Novo Banco lança hoje plano para rescindir com 440 trabalhadores e paga até 35 salários

Banco paga até três salários por ano aos trabalhadores com mais de 20 anos de casa. Programa para rescindir com 440 trabalhadores é lançado no dia em que a instituição apresenta prejuízos recorde.

No mesmo dia em que anuncia prejuízos recorde, o Novo Banco lançou o programa de rescisões com vista à saída de 440 trabalhadores do grupo. O banco paga um máximo de 35 vencimentos mensais aos funcionários, que terão de comunicar a sua intenção de adesão ao plano de saídas até ao dia 13 de abril.

De acordo com as condições que foram anunciadas esta quarta-feira, e que o ECO teve acesso, a compensação é calculada de forma progressiva de acordo com o número de anos de casa do trabalhador. Até 10 anos, o Novo Banco compensa os funcionários com o pagamento de 75% do salário mensal por ano. A compensação financeira sobe até aos três salários por cada ano acima dos 20 anos de antiguidade.

Adicionalmente, o Novo Banco garante aos trabalhadores a manutenção das condições do crédito habitação e crédito individual. E assegura o acesso ao subsídio de desemprego se o funcionário assim o quiser.

Para os colaboradores com idade igual ou superior a 50 anos, o banco assegura a manutenção vitalícia do sistema de Assistência Médico-Social, o sistema de saúde para os bancários. Em relação aos trabalhadores com idade inferior a 50 anos, serão compensados com o pagamento de dois anos de seguro de saúde, que abrange todo o agregado familiar.

A comunicação da decisão final será transmitida pelo departamento de recursos humanos através de e-mail até ao dia 11 de maio. A cessação do contrato de trabalho deverá ocorrer até 30 de junho.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco lança hoje plano para rescindir com 440 trabalhadores e paga até 35 salários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião