Por 50 euros pode financiar a construção de um prédio no Porto

Durante o primeiro ano, o investidor recebe mensalmente as taxas de juro acordadas com o promotor. neste caso 8%. Terminado esse período, é-lhe devolvido o montante inicial investido.

A Housers, uma plataforma online de crowdfunding, criou uma oportunidade de investimento para financiar a construção de uma urbanização na cidade do Porto. Partindo de um montante mínimo de 50 euros, o investidor contribuiu para o financiamento do arranque do projeto, recebendo mensalmente, durante o primeiro ano, as taxas de juro acordadas com o promotor. Após esse período, é devolvido ao investidor o montante que investiu.

Após três projetos “financiados com sucesso” em Lisboa, a Housers ruma à Invicta. Este é o quarto projeto de crowdfunding que a plataforma organiza, desta vez para a construção de uma urbanização de 54 apartamentos, T2 e T3, localizada no bairro de Paranhos. O objetivo do projeto, de nome Boss Smart City, são 430 mil euros em financiamento mas, por um mínimo de 50 euros, os interessados podem participar na cedência desse empréstimo a um promotor para a compra parcial do terreno, início da obra e vários elementos necessários como pedidos de licenças e autorizações.

Boss Smart City, PortoHousers

Os investidores vão receber todos os meses a taxa de juro acordada com o promotor, até que se finalize um ano. Após esse período, é devolvido ao investidor o montante inicial que investiu. Até à data, o projeto já conta com 9.253 euros angariados, através de 34 investimentos.

“A área do Porto tem ganho bastante relevância no panorama imobiliário nacional, reunindo já grande parte da procura imobiliária quer por parte
do mercado interno, quer por parte de estrangeiros. A escassez de ativos e o preço na capital estão a contribuir para uma maior procura na região norte, razão pela qual consideramos ser o momento ideal para promover o primeiro projeto da Housers no Porto”, diz João Távora, CEO da plataforma de crowdfunding.

A Housers oferece ainda aos investidores a possibilidade de vender os seus títulos de empréstimo no Marketplace, uma opção de venda e compra de títulos entre investidores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por 50 euros pode financiar a construção de um prédio no Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião