Contratação de 400 trabalhadores para a Autoeuropa em risco

  • ECO
  • 1 Abril 2018

A Autoeuropa previa contratar 400 novos trabalhadores, mas a administração da fábrica de Palmela já não se compromete com essa meta. Está a avaliar a necessidades para responder à procura pelo T-Roc.

A Autoeuropa pretendia contratar 400 funcionários para a quarta equipa que iria garantir a produção aos fins de semana, depois das férias do verão. Mas essa meta está em risco de não se concretizar. O Dinheiro Vivo revela que em alternativa, a administração da fábrica de Palmela está a dar formação aos funcionários atuais para reduzir as necessidades. Novas contratações estão, por isso, a ser avaliadas.

 

 

A fábrica de Palmela está a recorrer aos atuais funcionários para conseguir criar esta nova equipa com vista a dar resposta à produção do T-Roc. Diz o Dinheiro Vivo que a Autoeuropa estará a apostar na formação interna e na agilização de processos para conseguir formar este quarto turno sem precisar de contratar as 400 pessoas.

Fonte oficial da fábrica diz que está a “avaliar as necessidades de pessoal”. E, “se for necessário, haverá novo processo de recrutamento”, mas não deverá ser das várias centenas que tinham sido anunciadas há pouco mais de meio ano. A comissão de trabalhadores, que em fevereiro conseguiu um acordo de aumentos salariais e integração de 250 precários, não comenta. Responde apenas que “as pessoas estão a ser colocadas nas equipas”.

O T-Roc, o SUV que começou a ser fabricado em série em agosto, representa mais de 600 dos 840 carros por dia que saem das linhas de montagem da fábrica. E é este modelo que leva a que seja necessário a quarta equipa, com laboração ao fim de semana, para que a Autoeuropa passe a laborar de forma contínua.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contratação de 400 trabalhadores para a Autoeuropa em risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião