Corrida aos reembolsos leva a falhas no sistema de entrega do IRS

  • ECO
  • 3 Abril 2018

A promessa de reembolsar os contribuintes em 12 dias está a levar a uma corrida nos primeiros dias. Observaram-se falhas pontuais no sistema, até nas repartições de Finanças.

Foram quase 260 mil as pessoas que aproveitaram o primeiro dia de entrega do IRS para o fazerem através do Portal das Finanças, comparativamente às 33 mil que o fizeram no ano passado. A puxar pelo tráfego está a promessa por parte do Governo de reembolsar os contribuintes em menos de 12 dias, sempre que o processo seja feito da forma automática.

O Diário de Notícias e o jornal i dão esta terça-feira conta de que os utilizadores experienciaram algumas falhas pontuais no processo, sendo que até nas repartições das Finanças os funcionários nem sempre conseguiam aceder à primeira tentativa.

O DN dá conta de uma manhã passada no serviço de Finanças dos Olivais, em Lisboa, com tempos de espera de uma hora e meia e até dificuldades a entrar no sistema sentidas pelos próprios trabalhadores. No entanto, ressalva que existem também contribuintes que conseguiram entregar a declaração rápido e sem quaisquer problemas.

Ao i, Nuno Pires, membro da direção nacional do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, admitiu que o sistema esteve “muitas vezes em baixo devido a problemas técnicos”, mas que “não há sistema capaz de aguentar tanta procura.

Já António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, afirmou que “é preciso desmistificar as falhas”, uma vez que “elas poderão ser temporárias e não serem atribuíveis ao sistema informático, mas ao browser“.

Para evitar picos de afluência, principalmente no final do prazo, o secretário de Estado veio ainda lembrar que quem faz IRS automático tem 60 dias para tal, sendo que existem mais de 340 repartições das Finanças com apoio digital assistido para que tenha dificuldades. Assim, não há razões “para deixar tudo para a última hora”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corrida aos reembolsos leva a falhas no sistema de entrega do IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião