Foi só um susto. Wall Street recupera à espera das negociações com a China

Depois das fortes quedas, Wall Street voltou aos ganhos. A retaliação da China às tarifas dos EUA assustou os investidores, mas a abertura às negociações aliviou a tensão nas bolsas norte-americanas.

Depois de um arranque em queda, que atirou os índices para mínimos do ano, a sessão acabou por ser positiva para os três índices bolsistas norte-americanos. Se a primeira reação à retaliação da China às tarifas de Trump foi de pânico, os ânimos acalmaram durante a sessão com os investidores a centrarem atenções à abertura para a negociação em vez de uma guerra comercial.

Wall Street arrancou a sessão com quedas de mais de 1%, mas durante o dia foi corrigindo das perdas. A correção deu lugar à recuperação, permitindo aos índices fecharem, os três, em terreno positivo. O S&P 500 somou 1,16%, ligeiramente mais do que os 0,96% do Dow Jones. O Nasdaq, que chegou a apresentar perdas no acumulado do ano, terminou a sessão a ganhar 1,43%.

A China anunciou, esta quarta-feira, que vai impor tarifas de 25% em 106 bens norte-americanos em retaliação à guerra comercial lançada por Donald Trump. A medida deverá atingir 50 mil milhões de dólares de importações norte-americanas e terá como principais alvos as industrias automóvel, da aviação, química e da soja.

A retaliação pesou em empresas destes setores, nomeadamente a Boeing, que não evitou a queda na sessão. No entanto, grande maioria das cotadas acabou por recuperar fôlego, puxando pelos índices, depois de Larry Kudlow, conselheiro económico de Donald Trump ter vindo afirmar que os EUA estão a “negociar” com a China.

Omar Aquilar, responsável de investimento da Charles Schwab, à Reuters, diz que os investidores se precipitaram ao venderem os títulos, o que levou a fortes quedas das bolsas dos EUA. Uma reação excessiva àquilo que inicialmente parecia ser uma guerra comercial, cenário que a administração de Trump procura agora afastar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Foi só um susto. Wall Street recupera à espera das negociações com a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião