Governo justifica atrasos na aprovação de pensões por falta de funcionários

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 4 Abril 2018

O período que vai entre o pedido e o deferimento da pensão atinge "alguns meses", afirmou Vieira da Silva, sem concretizar. A culpa é da redução de quadros.

O Governo admite atrasos no deferimento das pensões e diz que os instrumentos criados para resolver a situação ainda vão “demorar alguns meses” a produzir efeitos.

“O atraso tem a ver com uma redução muito forte que houve no quadro de pessoal da Segurança Social, que é lenta — quer do ponto de vista quantitativo, quer qualitativo — a ser recuperada”, mas “estamos a tomar as medidas, nem sempre são tão rápidas como desejaríamos”, afirmou o ministro do Trabalho aos jornalistas, à margem de uma audição parlamentar.

Vieira da Silva clarificou que o que está em causa é o pagamento da primeira pensão, após o pedido. “Na generalidade das prestações, já se está a aproximar de valores que nós consideramos aceitáveis, no caso das pensões, o valor é excessivo”, disse.

Em causa estão “alguns meses” entre a data de requerimento e a de deferimento, admitiu o ministro, mas sem concretizar. As situações também dependem da complexidade das carreiras contributivas: há casos em que “é preciso ir a um passado longínquo, por vezes com menor informação, isso é um trabalho extremamente exigente”, argumentou.

O governante garante que já foram criados os instrumentos “para resolver definitivamente o problema, mas ainda vão demorar alguns meses a produzir os seus efeitos”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo justifica atrasos na aprovação de pensões por falta de funcionários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião