Calotes de clientes à EDP já vão em quase 1.500 milhões

O saldo em dívida por parte dos consumidores particulares engordou em quase 30 milhões para 408,9 milhões de euros. O das empresas disparou para 600 milhões. No total, são 1,48 mil milhões por cobrar.

Há cada vez mais famílias que deixam de pagar a conta da luz. A EDP, o maior comercializador de energia em Portugal, vai somando calotes atrás de calotes, sendo a fatura em falta por parte dos clientes particulares já de várias centenas de milhões de euros. São, ao todo, 409 milhões de euros em falta, de acordo com as contas da empresa liderada por António Mexia. Com as empresas, mas também o Estado, as dívidas ascendem a quase 1,5 mil milhões. Mas as imparidades reconhecidas pela elétrica são menores: 367 milhões.

Se entre 2015 e 2016 o valor das dívidas dos particulares até encolheu, passando de 382 para 379,7 milhões de euros, no ano passado voltou a registar-se um agravamento. No Relatório e Contas de 2017, a elétrica revela que o saldo em dívida por parte dos consumidores particulares engordou em quase 30 milhões para 408,9 milhões de euros. Aumentou em 7,7%.

“No que respeita aos valores a receber de clientes particulares, resultantes da atividade corrente do Grupo EDP, o risco de crédito resulta essencialmente de incumprimento por parte de clientes, cuja exposição está limitada ao fornecimento a ocorrer até à data possível de interrupção de fornecimento“, refere a EDP.

“Uma criteriosa análise do risco de crédito de clientes na fase de contratação, associada ao elevado número de clientes e sua diversidade em termos de setor de atividade são alguns dos principais fatores que mitigam o risco de concentração de crédito em contrapartes”, acrescenta a empresa liderada por António Mexia, explicando assim aos seus acionistas o que é necessário fazer para evitar estes calotes.

Empresas engordam dívida em 200 milhões

Se as famílias devem mais de 400 milhões, só as empresas engordaram, no ano passado, em 200 milhões de euros o valor da eletricidade consumida que não pagaram. Disparou em mais de 40% o saldo em dívida dos clientes empresariais, sendo estes os que mais pesam nas dívidas por cobrar por parte da EDP.

A fatura em atraso por parte das empresas chega já aos 670 milhões de euros, à frente dos clientes particulares. Mas há mais devedores no setor empresarial. A EDP contabiliza ainda 122 milhões de dívida de “outros”, a que se juntam quase 100 milhões de euros referentes a faturas em falta por parte de outros comercializadores.

Estado também pesa nas contas… por pagar

Não há só valores a receber de particulares e empresas. Também o Estado não paga a fatura da luz a tempo e horas, de acordo com os dados apresentados pela EDP no Relatório e Contas. No entanto, o saldo já foi bem maior do que era no final de 2016. Segundo a elétrica, os clientes do setor público devem 185 milhões de euros. Mas é uma dívida que não preocupa tanto António Mexia.

“Os valores a receber de clientes do setor público incluem valores a receber de dívida protocolada que, pelo facto de a contraparte ser uma entidade pública e ter já reconhecido o crédito através de protocolos de pagamento, apresentam um risco mais reduzido. Esta dívida apresenta igualmente dívida não protocolada que decorre da normal atividade de fornecimento de energia semelhante ao descrito para o setor empresarial e particular”, refere.

Imparidades avultadas, mas caíram

Havia, no final do ano passado, um total de 1,48 mil milhões de euros de valores por cobrar a clientes particulares, empresariais e do setor público, valor que cresceu face ao final de 2016. Aumentou em 19%, face aos 1,24 mil milhões. É um valor avultado, mas nem tudo é assumido como perda por parte da EDP. Contactada pelo ECO, não foi possível obter esclarecimentos por parte da EDP.

Na descrição das dívidas vencidas, a EDP aponta como havendo 373,8 milhões de euros em valores a cobrar sem imparidade, montante a que se somam 367,8 milhões em imparidade. “O Grupo EDP regista imparidade com base em análises económicas caso a caso, consoante as características dos clientes”, explica a elétrica.

Há ainda um outro valor, ainda maior, de 1,11 mil milhões de euros que a empresa empresa inclui nas dívidas não vencidas e sem imparidade, ou seja, que não vão afetar as contas. Esta “dívida de clientes não vencida e sem imparidade inclui dívida de clientes com acordos ou protocolos de pagamento”, remata.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Calotes de clientes à EDP já vão em quase 1.500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião