Regulador espanhol obriga EDP a diferenciar marcas

Regulador espanhol está a avançar com um processo semelhante ao levado a cabo pela ERSE, que obrigou à diferenciação das imagens de marcas da EDP Distribuição, EDP Serviço Universal e EDP Comercial.

Para evitar que se crie confusão aos consumidores espanhóis, a Comissão Nacional de Mercados e Concorrência (CNMC) está a propor que os distribuidores e comercializadores de energia de referência do mercado regulado, que integrem grupos empresariais dos quais façam parte também comercializadores do mercado livre, tornem clara a sua diferenciação em relação a esses aglomerados. Em causa está uma mudança de nome e imagem, que já foi implementada no mercado português pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

De acordo com o Cinco Dias, o objetivo desta medida do regulador é impedir que os consumidores confundam os distribuidores e os comercializadores de energia com o grupo de negócios do qual fazem parte. Segundo a análise da CNMC, é recorrente o uso de marcas, logótipos e cores semelhantes entre empresas de um mesmo aglomerado, o que pode gerar uma “vantagem ilícita”.

Os diversos ramos da Endesa, Iberdrola, Gás Natural Fenosa, EDP Espanha e Viesgo serão, deste modo, obrigados a mudar não apenas os seus “sobrenomes”, mas também as suas imagens de marca e nomes completos.

As empresas e os consumidores têm agora até ao final da semana para apresentarem as suas posições junto do regulador. Se a medida avançar, o mercado elétrico e do gás espanhol pode “mudar radicalmente”.

A Endesa e a Iberdrola já se mostraram contra a proposta, alegando que a Lei do Setor Elétrico apenas exige a separação das atividades.

Já a EDP Espanha apoia a medida: a empresa quer mesmo que se crie uma marca branca única para todas as comercializadoras reguladas, independentemente do seu proprietário. “A EDP Espanha defende que todas as comercializadoras do mercado regulado espanhol (comercializadora de último recurso) devem operar debaixo de uma mesma marca (marca branca), de forma a deixarem de estar ligadas ao nome e ao logótipo do grupo energético a que pertencem“, explicou ao ECO fonte oficial da gigante.

Em Portugal, a medida implementada pela ERSE levou a empresa liderada por António Mexia a registar quatro marcas distintas no Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI) para identificar a atividade da EDP Distribuição, EDP Serviço Universal e EDP Comercial. As propostas devem ser conhecidas em breve.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador espanhol obriga EDP a diferenciar marcas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião