Contribuintes deviam “esperar duas a três semanas” para entregar IRS, diz Paulo Ralha

  • ECO
  • 6 Abril 2018

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos diz que os contribuintes deviam esperar algumas semanas para entregar a declaração de IRS para evitar erros.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) diz que os contribuintes deviam esperar duas a três semanas para entregarem a declaração de IRS, por forma a evitarem erros ou falhas. Em entrevista ao jornal i, refere ainda que ficará surpreendido se o Governo pagar os reembolsos em 12 dias e acha natural que algumas juntas de freguesia queiram ser ressarcidas por ajudarem os contribuintes a entregar o IRS.

Paulo Ralha recorda que a grande afluência ao sistema informático gera constrangimentos, mas salienta ainda que “podem existir erros nos primeiros dias que, depois de detetados, serão corrigidos”. E foi isso que aconteceu no ano passado, nota. Por isso, em entrevista publicada esta sexta-feira no jornal i, aconselha: “Os contribuintes deveriam esperar duas a três semanas para fazerem a entrega da declaração, para evitar esse tipo de erros ou falhas”.

A corrida às entregas de declarações não surpreendeu Paulo Ralha. “Ficarei surpreendido se o Governo fizer o reembolso em 12 dias e conseguir cumprir os prazos”, acrescenta, porém, o líder do STI.

Na entrevista, Paulo Ralha também diz que “é legítimo” que as juntas de freguesia que se disponibilizam a apoiar contribuintes na entrega da declaração do IRS queiram ser ressarcidas por isso, já que “não é uma função delas”. “Ou seja, podem querer algum tipo de compensação”, refere. Este ano, as declarações de IRS só podem ser entregues através do Portal das Finanças, mas há pontos de apoio aos contribuintes com maiores dificuldades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contribuintes deviam “esperar duas a três semanas” para entregar IRS, diz Paulo Ralha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião