Spreads máximos da casa estão abaixo dos mínimos em vigor durante a crise

Os bancos estão dispostos a cobrar menos aos clientes mais arriscados face ao que cobravam aos clientes de menor risco no pico da crise. Vontade de dar crédito justifica essa realidade.

A “guerra dos spreads” da casa está ao rubro. Sucedem-se as revisões em baixa dos spreads em benefício de quem quer um empréstimo para a compra de habitação. A vontade de dar crédito é tanta que os bancos estão dispostos a cobrar menos aos clientes mais arriscados do que aquilo que cobravam aos clientes de menor risco no pico da crise.

Confuso? O que se passa é o seguinte: aquilo que os bancos têm agora como spread máximo no crédito à habitação é inferior ao spread mínimo durante a crise.

Spreads: dos máximos para os mínimos

Fonte: Preçários dos bancos

São pelo menos cinco os bancos nacionais em que essa situação acontece: BCP, Santander Totta, Montepio Geral, Bankinter e Crédito Agrícola. Qualquer destes bancos tem nos seus preçários tetos máximos para os spreads inferiores àqueles que eram os seus limites mínimos no início de 2013, período em que a “torneira do crédito” estava mais fechada. Apenas a CGD, o Novo Banco e o BPI não acompanham esta tendência.

No caso do BCP, o teto máximo dos spreads do crédito à habitação é atualmente de 3%. Este valor é inferior aos 3,75%, patamar a partir do qual o banco liderado por Nuno Amado se dispunha a dar crédito no início de 2013. Já o Santander Totta e o Montepio Geral têm tetos máximos de spreads de 2,5% e 3,5%, respetivamente, quando há cinco anos exigiam no mínimo 3,25% e 3,7% para financiar a compra de casa.

Por sua vez, no Bankinter o spread máximo é de 3,2%, aquém dos 3,5% que o Barclays (banco cuja atividade de retalho em Portugal foi comprada pelo banco espanhol) disponibilizava como spread mínimo no pico da crise. A maior discrepância de valores surge no caso do Crédito Agrícola. O banco liderado por Licínio Pina tem em 2,65% o seu limite máximo de spreads. No início de 2013, a sua margem mínima era superior em mais de um ponto percentual: 4,05%.

Não há menos risco. É uma questão de contexto

Essa realidade não significa que os clientes que hoje procuram crédito para a compra de casa ofereçam menor risco face ao que acontecia há cinco anos. O contexto de atuação dos bancos é que é muito diferente. “A descida dos spreads face ao que aconteceu no pico da crise deve-se essencialmente à política de liquidez do Banco Central Europeu (BCE) que permitiu a libertação de liquidez no mercado“, começa por explicar Nuno Rico, economista da Deco, acrescentando que conjuntamente com a recuperação económica, constituíram “um incentivo ao mercado e deram mais vontade aos bancos para emprestar dinheiro”.

Um cenário bastante distinto daquele com que os bancos se depararam durante a crise financeira, altura em que a difícil situação em que se encontravam, com elevados níveis de malparado e a necessidade de reforçarem os rácios de capital obrigou-os a “fechar a torneira” do crédito. O aumento dos spreads foi uma via para o conseguir concretizar.

Hoje, o cenário é muito distinto. “Após os finais de 2014 e início de 2015, acabamos por assistir a um aligeirar não só das restrições de acesso, como também pelo facto de terem acesso a grandes volumes de liquidez devido à política expansionista do BCE, os bancos começaram a baixar os spreads de modo a conseguirem colocar essa liquidez no mercado”, contextualiza o economista da Deco.

Spreads mínimos da casa

Fonte: Preçários dos bancos

Atualmente, todos os bancos oferecem crédito à habitação a partir de spreads inferiores a 2%, em alguns casos já bem próximos de 1%. Apesar de serem superiores ao que chegou a ser praticado antes da crise financeira, o atual nível de spreads tem ajudado a puxar pela concessão de crédito à habitação.

Em 2017, os bancos nacionais disponibilizaram mais de oito mil milhões de euros em crédito para a compra de casa, o montante mais elevado desde antes da crise financeira. O arranque de 2018 dá seguimento a essa tendência, com 634 milhões de euros em empréstimos para a compra de casa disponibilizados em janeiro, segundo os últimos dados do Banco de Portugal.

A vontade de os bancos em dar crédito com esse fim é de tal ordem que, para além cortarem no preço que cobram aos clientes para conceder empréstimos, também estão a apostar em campanhas promocionais dos seus produtos de crédito à habitação, em que a rapidez é o principal foco.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Spreads máximos da casa estão abaixo dos mínimos em vigor durante a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião