BE acusa Governo de querer alterar “compromisso” assumido no Orçamento do Estado para 2018

Ainda não se conhece o documento final, mas o Programa de Estabilidade 2018-2022 (PE) já causa problemas na maioria de esquerda. BE acusa o Governo de alterar no PE a meta de défice votada no OE2018.

É com “preocupação” que o Bloco de Esquerda vê as novas metas do Governo em relação ao défice. Como o ECO revelou, o Programa de Estabilidade 2018-2022 deverá fixar o défice de 2018 em 0,7% enquanto a meta do défice aprovada no Parlamento para este ano era de 1,1%. Catarina Martins diz não ser “compreensível” a mudança dos objetivos orçamentais negociados e aprovados pelos parceiros de esquerda.

“Achamos preocupante que o Governo queira alterar as metas que negociou connosco, reduzindo a margem disponível para aproveitar o crescimento económico para melhorar as condições de vida no nosso país”, afirmou Catarina Martins, líder do BE, após uma reunião com economistas. A poucos dias do Executivo apresentar o Programa de Estabilidade 2018-2022, o Bloco vê com “preocupação” o anúncio de Mário Centeno de “limitações” para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), “antes de as negociações sequer terem início”.

Para o Bloco esta intenção visa “alterar a meta que foi votada no Orçamento do Estado para 2018”. “Queremos que os compromissos se mantenham”, defende Catarina Martins, desafiando o Governo a manter as metas votadas à esquerda no Parlamento. Isto porque, segundo a líder bloquista, o “compromisso político” alcançado no OE2018 “apontava para a necessidade de se aproveitar o crescimento económico para recuperar os serviços públicos“.

Catarina Martins fez questão de dizer que “o Bloco cumpriu sempre os compromissos políticos que firmou com o Governo”. “Não seria compreensível que o ministro das Finanças propusesse agora rever as metas alterando os valores que constavam no OE que nós votamos”, disse, referindo mesmo que isso “não teria nenhum sentido”. A líder do BE pediu ao Executivo que “apresente um PE que seja consequente com as metas e o quadro macroeconómico” aprovado no OE2018.

O Governo deverá aprovar o Programa de Estabilidade 2018-2022 esta quinta-feira no Conselho de Ministros e entregar o documento final no Parlamento na sexta-feira. Como o ECO revelou, o Governo está a planear inscrever uma meta de défice para 2018 de 0,7% e para 2019 de 0,2%. Já a dívida pública deverá cair para 122% em 2018 e para 118% em 2019. O Ministério das Finanças deverá contar com um crescimento económico de 2,3% este ano.

Face a estes valores, o Bloco teme que não sejam utilizados “700 milhões de euros” para o reforço do investimento público, “uma necessidade tão grande”, classificou Catarina Martins. Para o Bloco de Esquerda é necessário gastar mais na educação e na saúde onde “tem faltado o investimento” do Estado. Além disso, a líder do BE pediu que não se façam anúncios “precipitados”, referindo-se ao caso dos aumentos na função pública, antes das negociações para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), o último desta legislatura.

Questionada pelos jornalistas sobre as declarações do ministro da Saúde — “Somos todos Centeno”, disse Adalberto Campos Fernandes –, Catarina Martins apelidou a frase de “infeliz”. “Quero acreditar que cada ministro toma responsabilidades próprias em relação à sua área de governação”, afirmou a líder bloquista, reforçando a ideia de que existem hospitais e centros de saúde com falta de verbas para fazer o seu trabalho.

(Notícia atualizada pela última vez às 19h23 com mais declarações de Catarina Martins)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE acusa Governo de querer alterar “compromisso” assumido no Orçamento do Estado para 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião