Vítor Constâncio na despedida do BCE: Risco no imobiliário exige medidas macroprudenciais

O vice-presidente do BCE alertou que o risco de bolha no imobiliário exige a tomada de medidas macroprudenciais. Quanto à possibilidade de uma futura crise, a política orçamental terá de ir a jogo.

O risco do imobiliário deve ser colmatado com a aplicação de medidas macroprudenciais. O conselho foi deixado esta segunda-feira por Vítor Constâncio na sua última ida ao Parlamento Europeu enquanto vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) para apresentar o relatório anual do BCE relativo a 2017. O português diz que é necessário implementar um conjunto de medidas que tornem o sistema financeiro mais resiliente à absorção de riscos no setor imobiliário.

“Alguns riscos dependem significativamente nos desenvolvimentos a nível mundial, enquanto outros — incluindo os riscos do setor imobiliário — são mais específicos e têm de ser endereçados através de políticas macroprudenciais”, explicou Constâncio perante os eurodeputados, ressalvando que, para já, não existe uma preocupação geral na Zona Euro, em linha com o que tinha dito Mario Draghi, o presidente do BCE.

Contudo, “os aumentos de preços em alguns países requerem uma resposta correta através da implementação de medidas de política macroprudencial”, aconselhou Vítor Constâncio, sem referir os Estados-membros em questão. “Dada a incerteza do impacto individual das medidas, há a necessidade de ter uma mistura apropriada de ferramentas, que podem incluir medidas relacionadas com quem empresta [dinheiro], nomeadamente limites no rácio entre o montante do financiamento face ao valor do imóvel que serve de garantia ou na taxa de esforço”, explicou o vice-presidente do BCE. Para Constâncio essa ponderação deverá ser feita em breve no comité de Basileia.

Questionado pelos eurodeputados sobre o que irá acontecer se uma crise económica aconteça no curto prazo, o ainda vice-presidente do BCE, cujo mandato acaba a 31 de maio, considera que a resposta estará a nível nacional. “Se surgirem choques repentinos, o papel da política orçamental deve ser acionada“, respondeu, referindo, a título pessoal, que a Zona Euro deve ter uma capacidade orçamental para lidar com os choques económicos simétricos e assimétricos, “algo que não existe hoje”.

Os aumentos de preços [no setor imobiliário] em alguns países requerem uma resposta correta através da implementação de medidas de política macroprudencial.

Vítor Constâncio

Vice-presidente do BCE

Para já continua a existir o problema da inflação, que não descola para o objetivo de médio prazo, e uma espécie de mistério com a evolução tímida dos salários. Ainda esta segunda-feira foram divulgados dados a nível europeu que indicam que em Portugal o custo horário da mão-de-obra subiu apenas 3% em 2017. Vítor Constâncio avança com uma explicação: “Contávamos que com um crescimento grande nos salários“, admite, referindo que “é uma inércia da crise que faz com que todos sejam mais prudentes no seu comportamento… Os sindicatos e os trabalhadores parecem aceitar [a fraca evolução dos salários] porque têm medo do desemprego”.

Sobre o mercado de trabalho, Constâncio disse ainda que a situação mudou muito nos últimos anos. “O país que neste momento que tem menor flexibilidade laboral é a Alemanha”, disse, explicando que houve “uma série de reformas que foram levadas a cabo durante a crise que alteraram o panorama de maneira significativa”. E garante que isso está relacionado com o crescimento económico recente: “Parte da retoma [económica] que verificamos deve-se essencialmente a essa reestruturação do direito laboral“.

O país que neste momento que tem menor flexibilidade laboral é a Alemanha.

Vítor Constãncio

Vice-presidente do BCE

Confrontado pelos eurodeputados sobre o que acontecerá após a retirada dos estímulos, Constâncio assegurou que o BCE manterá a “cautela” uma vez que “nos últimos quatro anos os principais motores da inflação mantiveram-se em torno de 1%”. “Não queremos políticas aceleradas que ponham causa a recuperação económica“, garantiu, depois de na sua intervenção inicial ter destacado que tem “orgulho” de ter levado a cabo uma política monetária que, na sua opinião, salvou a União Monetária e Económica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vítor Constâncio na despedida do BCE: Risco no imobiliário exige medidas macroprudenciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião