Criação de um regime de REITs só traria “vantagens”

Os especialistas do setor alertam para a importância destes veículos de investimento, acrescentando que o país tem estado a perder capital por não adotar os REITs.

Os REITs foram um dos muitos temas debatidos na conferência organizada pelo ECO sobre o mercado imobiliário nacional. Estes veículos especializados no investimento imobiliário ainda não foram adotados em Portugal, ao contrário de outros países, incluindo Espanha. Para os oradores presentes na conferência, a não adoção deste sistema representa investimentos perdidos para o país.

Mais competitividade significa trazer os chamados REITs — Real Estate Investment Trusts“, começou por referir Hugo Santos Ferreira, vice-presidente da APPII (Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários). A atravessar uma fase claramente “hot, cool e trendy“, como disse Helena Amaral Neto, professora do ISEG, a criação deste veículo de investimento só traria vantagens para Portugal.

Os REITs são empresas que se dedicam exclusivamente a ativos imobiliários, acabando por funcionar como sociedades de investimento cotadas em bolsa. Atualmente existem em vários países, inclusive Espanha — as SOCIMI –, e por cá são uma medida reclamada há muito tempo pela indústria imobiliária e financeira. Entre as principais vantagens deste veículo de investimento constam a transparência, a simplificação e a segurança, para além de uma visão a longo prazo. O setor estima que a criação de REITs em Portugal atraia um investimento entre os dez e os 15 milhões de euros.

“O facto de, em Espanha, ter sido criado esse regime faz com que o país tenha um comportamento idêntico a todos os outros mercados”, disse Manuel Puerta da Costa, da BPI Gestão de Ativos, explicando que o facto de o país vizinho estar um passo à nossa frente, isso representa investimento perdido para os portugueses, “porque há capital estrangeiro que só investe em regimes legais como os REITs“.

O gestor sublinhou ainda o facto de os potenciais investidores internacionais verem os fundos de investimento tradicionais como instrumentos menos aliciantes para aplicarem o seu capital no mercado imobiliário, acabando por preferir investir em outros países que apresentem alternativas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criação de um regime de REITs só traria “vantagens”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião