Mark Zuckerberg diz que é uma das 87 milhões de vítimas da fuga de dados do Facebook

  • Juliana Nogueira Santos
  • 11 Abril 2018

O fundador do Facebook afirmou que foi um dos utilizadores que viu os seus dados partilhados indevidamente com a Cambridge Analytica. 

Na segunda ronda de testemunhos perante os deputados dos Estados Unidos, o presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que também foi um dos utilizadores que viu os seus dados partilhados indevidamente com a empresa de análise política, Cambridge Analytica.

A confissão foi feita após uma questão da congressista democrata Anna Eshoo. À pergunta, “os seus dados foram vendidos a terceiros de má-fé”, Zuckerberg respondeu rápida e prontamente: “sim”.

Mark Zuckerberg foi chamado a Washington para explicar perante senadores e congressistas a fuga dos dados de 87 milhões de utilizadores da rede social que fundou, em 2004.

Os dados foram angariados por aplicações de terceiros, que pediam permissão aos utilizadores para poderem aceder a informações como idade, género, localização, entre outros, e depois indevidamente utilizadas pela empresa de análise política Cambridge Analytica no âmbito de campanhas presidenciais.

O caso terá chegado até Portugal, onde as informações de 63 mil utilizadores nacionais possam também ter sido comprometidas. A rede social já disponibilizou uma ferramenta para confirmar se os seus dados estiveram ou não na mão de terceiros.

Zuckerberg continua a testemunhar, sendo que a primeira sessão, nesta terça-feira, durou mais de cinco horas. Nesta, o empresário voltou a pedir desculpa e a assumir a responsabilidade pelo sucedido. Pode acompanhar o testemunho em direto aqui no ECO.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mark Zuckerberg diz que é uma das 87 milhões de vítimas da fuga de dados do Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião