Planos de recuperação da Oi na Holanda votados a 1 de junho

  • Rita Atalaia
  • 11 Abril 2018

Será no início de junho que se vão votar os planos de recuperação das subsidiária da Oi na Holanda. E com isso garantir o reconhecimento internacional, "uma condição" para o pagamento aos credores.

As reuniões de verificação e aprovação dos planos de recuperação judicial das subsidiárias da Oi na Holanda vão realizar-se no início de junho. A informação foi avançada pela operadora brasileira num comunicado enviado ao mercado. O objetivo será garantir o reconhecimento europeu do plano de recuperação judicial aplicável aos detentores de dívida das subsidiárias Portugal Telecom International Finance (PTIF) e da Oi Brasil Holdings Coöperatief (Oi Coop). E, com isso, o pagamento ao qual têm direito os obrigacionistas.

As cortes holandesas marcaram as datas para as reuniões de verificação dos planos de composição holandeses da PTIF e Oi Coop, ambas a serem realizadas em 1 de junho de 2018. Dessa forma, tiveram início solicitações com a intenção de garantir o reconhecimento europeu para o Plano da RJ (“Solicitações de Consentimento”)”, lê-se no comunicado enviado pela Oi à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. A empresa relembra que a “eficácia internacional” do plano “é uma condição” para a distribuição de parte do pagamento ao qual têm direito os titulares de obrigações.

"As cortes holandesas marcaram as datas para as reuniões de verificação dos planos de composição holandeses da PTIF e Oi Coop, ambas a serem realizadas em 1 de junho de 2018. Dessa forma, tiveram início solicitações com a intenção de garantir o reconhecimento europeu para o Plano da RJ (“Solicitações de Consentimento”).”

Oi

Antes da votação dos planos de recuperação das duas subsidiárias holandesas, os detentores de obrigações de ambas terão de votar as solicitações de consentimento de maneira a expressarem a sua posição sobre o plano.

Os obrigacionistas da PTIF terão dois prazos para votar, consoante a dívida. Quem detém obrigações que foram vendidas para retalho terão até dia 27 de abril, enquanto quem detém outro tipo de dívida terá até 30 de abril para fazê-lo. No caso da Oi Coop, o prazo acaba a 15 de maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Planos de recuperação da Oi na Holanda votados a 1 de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião