Credores da Oi poderão ficar com 72,12% da operadora

Os credores da operadora de telecomunicações escolheram receber o pagamento referente aos seus créditos, podendo, assim, ficar com 72,12% do capital da Oi.

A operadora de telecomunicações Oi, a atravessar um período de recuperação judicial, informou esta quarta-feira que os seus credores vão poder ficar com 72,12% do capital da empresa. De acordo com a Oi, esse valor resulta da escolha dos credores em optarem pelopagamento dos seus respetivos créditos”.

Os “titulares de créditos” da empresa no valor equivalente a 8,46 mil milhões de dólares (6,84 mil milhões de euros) decidiram receber o pagamento referente aos seus respetivos créditos, informa a empresa em comunicado divulgado esta quinta-feira na CMVM. Desta forma, a Oi anunciou que esses credores vão poder ficar com 72,12% do capital da empresa.

“A diluição total resultante da entrega do pacote de instrumentos financeiros (…) no contexto do aumento de capital aprovado em reunião do Conselho de Administração de 5 de março de 2018, será de 72,12%, caso todos os credores tomem os passos necessários para participar da Oferta de Troca“, anunciou a operadora de telecomunicações.

Com isto, esse valor “está sujeito ao resultado de tal Oferta de Troca, e, ainda ao resultado do exercício do direito de preferência pelos atuais acionistas”, lê-se.

A Pharol sempre se opôs a esta operação, porque tal implica uma perda de poder da empresa portuguesa na Oi, onde detém 22,24% do capital. A diluição resultante deste aumento de capital, reduz substancialmente o peso da Pharol no capital da telecom brasileira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores da Oi poderão ficar com 72,12% da operadora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião