Governo menos ambicioso no alívio dos cortes nas reformas antecipadas

  • ECO
  • 12 Abril 2018

A proposta mais recente do Executivo defende o fim do fator de sustentabilidade apenas para quem tem 46 anos de descontos e começou a trabalhar até aos 16 anos de idade.

O Governo tem vindo a dar sinais de recuo na eliminação do corte do fator de sustentabilidade nas reformas antecipadas. De acordo com o Jornal de Negócios, a proposta mais recente apresentada ao Bloco de Esquerda e ao PCP só prevê o alargamento do fim da penalização a quem tenha pelo menos 46 anos de descontos e tenha começado a trabalhar aos 16 anos ou menos.

Este é um pequeno alargamento face ao que já vigora: já não há qualquer corte para quem tenha 48 anos de contribuições ou, tendo 46 anos de descontos, tenha começado a trabalhar aos 14 ou antes disso.

A indicação também se afasta daquilo que o Governo chegou a prever. A aplicação de uma segunda fase de mudanças devia ter ocorrido em janeiro, de acordo com documento de maio de 2017 referido pelo Negócios, mas na nova solução não há o compromisso de que entre em vigor ainda este ano. Além disso, era esperado que os pensionistas com 63 ou mais anos de idade (com 40 anos de descontos aos 60 de idade) pudessem reformar-se sem a redução do fator de sustentabilidade — o que se prevê agora fica aquém disso.

O Governo chegou ainda a apontar para uma terceira fase de alterações e, no documento de maio, atirava esta mudança para janeiro de 201. Agora não garante sequer que avance nesta legislatura. Esta última etapa deveria abranger pessoas entre os 60 e 62 anos, que aos 60 contem pelo menos 40 anos de descontos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo menos ambicioso no alívio dos cortes nas reformas antecipadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião