PSD diz que não permitirá que fundos europeus sejam desviados do interior

  • Lusa
  • 12 Abril 2018

"Há uma linha vermelha que não deixaremos que o Governo ultrapasse: é que sejam utilizados dinheiros do interior para alimentar grandes projetos nos centros urbanos”, disse Emídio Guerreiro.

O PSD afirmou esta quinta-feira estar preocupado com “uma clara intenção do Governo” de reprogramar fundos europeus do interior para projetos nos grandes centros urbanos, afirmando que essa “é uma linha vermelha” que não permitirá que o Executivo ultrapasse.

Em declarações aos jornalistas no Parlamento, o vice-presidente da bancada do PSD Emídio Guerreiro disse que o partido já se reuniu com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro e irá reunir-se na próxima semana com representantes dos programas regionais do Norte e do Alentejo, e ouvir em sede de comissão parlamentar os conselhos das regiões.

“Há uma linha vermelha que não deixaremos que o Governo ultrapasse: é que sejam utilizados dinheiros do interior, das regiões de baixa densidade, desfavorecidas, para alimentar grandes projetos nos centros urbanos”, afirmou.

Há uma linha vermelha que não deixaremos que o Governo ultrapasse: é que sejam utilizados dinheiros do interior, das regiões de baixa densidade, desfavorecidas, para alimentar grandes projetos nos centros urbanos.

Emídio Guerreiro

Deputado do PSD

No final das audições, o deputado social-democrata adianta que o partido deverá ter “iniciativas públicas e legislativas” para inviabilizar o que diz ser “uma clara intenção do Governo”: “Utilizar fundos destinados a que as assimetrias em Portugal diminuam para nesta fase da reprogramação acentuar ainda mais essas assimetrias”.

Questionado em que dados se baseia o PSD para fazer estas denúncias, Emídio Guerreiro apontou a posição pública do conselho de regiões do norte, mas sem concretizar que programas ou montantes de verbas poderiam estar em causa.

No entanto, o vice-presidente da bancada do PSD separou estas críticas da negociação que o partido está a desenvolver com o executivo sobre o futuro quadro comunitário, o Portugal 2030, coordenada pelo vice-presidente Castro Almeida. “São questões distintas: em sede de Portugal 2030 estamos a fazer um acordo porque é uma questão estratégica para Portugal ter força negocial; na reprogramação, como foi já dito pela direção nacional, não há nem tem de haver acordo, é uma questão de decisão política momentânea”, apontou.

Esta semana, autarcas do Norte acusaram o Governo de agir como “Robin Hood ao contrário” na reprogramação dos fundos comunitários, acusando o executivo de “agravar” as “discriminações e discrepâncias” de tratamento entre as várias regiões do país.

Na segunda-feira, em Braga, no final da terceira reunião da Plataforma de Concertação Intermunicipal da Região Norte, que reúne as Comunidades Intermunicipais (CIM) do Norte e a Área Metropolitana do Porto, o presidente da CIM do Cávado, Ricardo Rio, alertou o executivo liderado por António Costa que o Norte não irá ficar “passivo” quanto à possibilidade de desvio de fundos da região para outros fins.

No mesmo dia, o Governo classificou de “falsidade” estas acusações, considerando “totalmente inaceitável” que “continue” a ser “propalada” aquela intenção. “É totalmente inaceitável que, após diversas declarações públicas sobre a matéria, nomeadamente no parlamento, assim como as proferidas nas reuniões entretanto realizadas, continue a ser propalada a falsidade de que o Governo pretende transferir verbas da região Norte para Lisboa”, lê-se numa nota enviada à Lusa por fonte oficial do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD diz que não permitirá que fundos europeus sejam desviados do interior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião