Produção da Galp sobe 19% no primeiro trimestre. Brasil cresceu 22%

  • ECO
  • 13 Abril 2018

A produção média net entitlement da petrolífera aumentou para 102,6 mil barris diários de petróleo nos primeiros três meses de 2017, revelam os seus dados operacionais preliminares.

Galp Energia fechou o primeiro trimestre deste ano com a melhoria nas diferentes áreas da sua atividade, com a produção da petrolífera a ser puxada pelo negócio do Brasil. Nos três primeiros meses deste ano registou um aumento de 19% na produção média de petróleo e gás, revelam os dados operacionais preliminares revelados ao mercado no esta sexta-feira.

A petrolífera viu a sua produção média net entitlement ascender a 102,6 mil barris diários, o que compara com os 86,2 mil que se verificou no mesmo período do ano anterior. A produção net entitlement é a mais relevante para as contas da empresa, uma vez que tem impacto integral nos resultados da Galp Energia, após o pagamento de imposto em espécie nos países onde as concessões se localizam.

O Brasil teve um crescimento homólogo de 22%, com uma produção diária de 97,1 mil barris (no primeiro trimestre de 2017 foi de 79,3 mil barris). Este nível de produção representa um aumento face aos 93,9 mil barris extraídos no trimestre anterior. Já em Angola a produção também registou um aumento, mas apenas face aos três meses anteriores. Assim os 5,6 mil barris produzidos no primeiro trimestre deste ano comparam positivamente com os 5,2 mil extraídos no trimestre anterior (um crescimento de 7%), mas negativamente com os 6,9 mil barris produzidos um ano antes (-19%).

Já a produção de petróleo e gás cresceu globalmente 18%, com a petrolífera a voltar a ultrapassar a barreira dos 100 mil barris barris diários. Esta meta foi ultrapassada pela primeira vez no último trimestre do ano passado (101,2 mil barris). No total, a produção ascendeu a 104,1 mil barris diários no primeiro trimestre deste ano. Este valor compara com os 80 mil que verificados um ano antes.

Mas se a produção está a aumentar a dois dígitos em termos homólogos, o desempenho é bem diferente no negócio da refinação. A venda de produtos refinados caiu 5% em termos homólogos e 8% face ao trimestre anterior. Por outro lado, a petrolífera também processou menos 4% de crude em termos homólogos e menos 12% face aos três últimos meses de 2017. No capítulo do gás, a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva também registou uma quebra homóloga de 2%.

A Galp Energia divulga os seus resultados finais relativos ao primeiro trimestre de 2018 a 27 de abril.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção da Galp sobe 19% no primeiro trimestre. Brasil cresceu 22%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião