Lucros da Media Capital estáveis. Publicidade cresce

A dona da TVI aumentou os lucros em 1% e fechou o primeiro trimestre com um resultado líquido positivo de 1,94 milhões de euros. As receitas de publicidades registaram o maior aumento em dois anos.

A Media Capital registou um lucro de 1,94 milhões de euros nos primeiros três meses de 2018. O resultado positivo representa, ainda assim, um crescimento de apenas 1% face aos mesmos três meses do ano passado. A maior carga fiscal impediu um desempenho mais expressivo, isto num trimestre em que a dona da TVI viu as receitas com publicidade subirem 4%. Tiveram o melhor desempenho em dois anos.

No ano passado, a empresa tinha lucrado 1,91 milhões de euros no mesmo período e reconhecido apenas 140 mil euros de impostos sobre o rendimento, na sequência de acertos com o Fisco que resultaram na “recuperação de impostos”. Este ano, a empresa reconheceu 743 mil euros de impostos.

Do lado do EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), o grupo viu o indicador crescer 4% entre janeiro e março, para 5,2 milhões de euros. Contabilizando apenas o segmento da televisão, que é o principal negócio do grupo, o EBITDA caiu 16% para 3,35 milhões de euros. Com isto, a margem de EBITDA do grupo caiu 0,9 pontos percentuais, para 13,4%.

Neste período, a Media Capital obteve receitas totais de 38,73 milhões de euros, um aumento de 10% face aos mesmos três meses de 2017. As receitas com a produção audiovisual foram as que mais cresceram, na ordem dos 13%, para 7,5 milhões de euros. Mas, enquanto as receitas com o negócio da rádio subiram apenas 2%, as da televisão aumentaram 11%, para 31,78 milhões de euros.

“Arrisco dizer que os resultados foram bons em toda a linha, porque tivemos um crescimento na publicidade. Este ano está a começar bem”, disse Pedro Mendes, responsável da Media Capital pelas relações com os investidores, em conversa com o ECO. Sublinhou também os “bons números ao nível das audiências” nos órgãos de comunicação social detidos pela empresa e frisou o crescimento da área do digital, com as receitas com publicidade digital a subirem 9%, para 694 mil euros.

Num âmbito mais geral, e apesar de a publicidade digital ter sido a que mais cresceu neste período, a maioria das receitas de anunciantes foi gerada com a televisão. Concretamente, os anunciantes investiram mais 5% este ano em publicidade na dona da TVI (19,77 milhões de euros), enquanto na rádio, a subida foi de apenas 1% (3,86 milhões de euros).

A Media Capital reduziu ainda a dívida líquida para 90,1 milhões de euros, “que corresponde ao nível mais baixo do primeiro trimestre desde 2007”, indica a empresa no relatório de apresentação de resultados. Tratou-se de um abatimento de 9,7 milhões de euros de dívida face ao mesmo trimestre de 2017.

(Notícia atualizada às 19h55 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Media Capital estáveis. Publicidade cresce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião