CMVM cobrou 320 mil euros em coimas no primeiro trimestre

Valor das coimas aplicadas resultam de decisões respeitantes a seis processos de contraordenação muito graves e seis processos de contraordenação graves.

A atividade sancionatória da CMVM resultou na aplicação de 320 mil euros nos primeiros três meses do ano, revelou o regulador do mercado de capitais, nesta terça-feira. Este montante resultou da decisão proferida em 12 processos de contraordenação, seis dos quais muito graves e os restantes graves.

De acordo com a CMVM, desse número de processos, quatro respeitavam a violações dos deveres de informação ao mercado, dois a violação dos deveres de intermediação financeira, três relativos à atividade dos organismos de investimento coletivo e três relativos à atuação dos auditores.

Para além dos 320 mil euros em coimas, a entidade liderada por Gabriela Figueiredo Dias aplicou ainda quatro admoestações.

No primeiro trimestre, foram ainda instaurados nove processos de contraordenação, dois por violação dos deveres de intermediação financeira, três relativos à atividade dos organismos de investimento coletivo, dois relativos à atuação dos auditores, um por violação dos deveres de informação ao mercado, e um relativo à violação dos deveres de negociação em mercado, diz a CMVM.

No final do primeiro trimestre encontravam-se ainda pendentes de decisão nos tribunais sete processos. De acordo com o regulador, em março, estavam ainda em curso 104 processos de contraordenação, sendo que 33 respeitam a violações de deveres de intermediação financeira, 26 são referentes à atividade dos organismos de investimento coletivo, 16 respeitam a violações de deveres de informação, 17 a violação de deveres de negociação em mercado, 11 referentes à atuação dos auditores e um relativo à atuação dos peritos avaliadores de imóveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM cobrou 320 mil euros em coimas no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião