Ministro da Economia: Startups com “92 operações de investimento aprovadas”

  • Lusa
  • 17 Abril 2018

De acordo com Caldeira Cabral, as operações de investimento aprovadas já estão na primeira fase ou em processo de aceleração de crescimento.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse esta terça-feira que, no âmbito das linhas de apoio às startups’ existem “92 operações de investimento aprovadas“.

O governante falava na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, no âmbito de uma audição regimental.

Nas linhas de apoio às startups onde se incluem “não só os fundos de business angels, como de capital de risco, já estão todos a funcionar, estão todos aprovados com dinheiro para fazer investimentos”, afirmou o ministro da Economia.

“Já temos 92 operações de investimento aprovadas, já estão a realizar operações com startups” que estão na primeira fase ou em processo de aceleração de crescimento, acrescentou.

De acordo com dados do Ministério da Economia, existem 3.004 startups em incubação (1.983 incubação física e 1.021 incubação virtual).

A primeira fase do ‘Startup voucher’ contou com 245 projetos aprovados.

Segundo o ministério tutelado por Manuel Caldeira Cabral, foram criados 2.547 empregos por novas ‘startups’ nos primeiros 12 meses.

Relativamente às linhas Capitalizar, as micro e pequenas empresas tiveram acesso a mais de 2,1 mil milhões de euros de financiamento através das mesmas.

Até final de março, foram apoiadas mais de 22 mil empresas que representam mais de 300 mil postos de trabalho.

O programa Capitalizar, que visa incentivar a capitalização e autonomia financeira das empresas, contém 84 medidas, estando em execução 73.

Sobre os incentivos do Portugal 2020, o Ministério da Economia refere que até final de março foram lançados 93 concursos com uma dotação financeira de 4,25 mil milhões de euros.

Até à data foram aprovados mais de 12.200 projetos apresentados pelas empresas e pagos 1,45 mil milhões de euros. A meta anual é de 2.000 milhões de euros, sendo que 72% foi alcançado.

O programa Interface, que visa capacitar a indústria portuguesa através da investigação e inovação colaborativa entre empresas, ensino superior e centros interface, com o objetivo de promoção da competitividade e internacionalização, contou com 2.850 candidaturas com um investimento aprovado de 610 milhões de euros.

Segundo o ministério, destas candidaturas há 1.110 participações de empresas em projetos, sendo que mais de metade (60%) são pequenas e médias empresas (PME), 386 são instituições do ensino superior e 22 de centros interface.

A rede Espaço Empresa, que prevê a criação de pontos únicos de atendimento para empresas, conta com a participação de 33 autarquias e 26 instituições públicas, onde constam o IAPMEI, AMA e AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro da Economia: Startups com “92 operações de investimento aprovadas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião