Trump confirma reunião com Coreia do Norte. “Foi formada uma boa relação”

De confrontos verbais e demonstrações de força às conversações. A relação entre a Coreia do Norte e os EUA parece ter entrado num novo capítulo. Trump já avista desnuclearização.

Longe parecem estar os dias de confrontos verbais e demonstrações de força entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte. Esta quarta-feira, Donald Trump usou a sua rede social favorita (o Twitter) para confirmar que o diretor da agência CIA, Mike Pompeo, se encontrou mesmo com o líder desse país, Kim Jong-un. “A reunião correu muito bem e uma boa relação foi formada”, considerou o Presidente norte-americano.

Na sua breve declaração, o Chefe de Estado aproveitou ainda para deixar uma nota sobre um dos tópicos mais quentes na relação entre estes dois país: o armamento nuclear. “A desnuclearização será algo muito bom para o mundo, mas também para a Coreia do Norte”, disse.

Segundo a imprensa norte-americana, a reunião entre Kim Jong-un e Pompeo serviu para fechar alguns detalhes do encontro que o próprio Donald Trump terá com o líder norte-coreano a que, um dia, chamou de “little rocket man”.

Na terça-feira, o Presidente norte-americano já tinha adiantado que os EUA estão em conversações diretas com a Coreia do Norte e reforçou que a Casa Branca está a estudar cinco potenciais localizações para o encontro entre os dois líderes.

Na mesma ocasião, Donald Trump avançou que estaria de acordo se a Coreia do Norte e a Coreia do Sul discutissem o fim da guerra nessa península, no encontro em que Kim e Moon participarão, ainda este mês. A concretizar-se, esse Tratado de Paz substituiria o armistício suspendeu a Guerra da Coreia em 1953.

Mike Pompeo, que foi nomeado pelo empresário nova-iorquino para o cargo de Secretário de Estado, estará portanto a tratar dos detalhes da primeira reunião de sempre entre os líderes das potências em causa.

Depois de meses de confrontos verbais e de demonstrações de força — com a Coreia do Norte a testar alegadamente a arma nuclear mais poderosa de sempre — as relações entre estes dois países parecem ter entrado num novo capítulo de harmonia.

Na sequência da participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de Inverno, alguns oficiais da Coreia do Sul foram mesmo a Washington entregar a proposta de uma reunião de Kim Jon-un a Donald Trump, o que terá iniciado esta nova fase.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump confirma reunião com Coreia do Norte. “Foi formada uma boa relação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião