Impasse: Sindicatos pedem 3% de aumento salarial, mas bancos propõem apenas 0,4%

  • Lusa
  • 20 Abril 2018

As negociações para aumentos salariais dos trabalhadores bancários estão num impasse, segundo a federação sindical ligada à UGT. Sindicatos pedem atualização de 3%, mas bancos propõem 0,4%.

As negociações para aumentos salariais dos trabalhadores bancários estão num impasse, segundo a federação sindical ligada à UGT, que acusa os bancos de terem falhado o compromisso de avaliarem uma nova proposta de aumentos acima dos 0,4% iniciais.

Segundo o comunicado publicado no site do Sindicato dos Bancários do Norte (um dos sindicatos que integra a Febase – Federação do Setor Financeiro), a reunião realizada terça-feira, 17 de abril, “nada trouxe de novo para desfazer o impasse a que as partes tinham chegado”.

A Febase diz que, apesar do compromisso assumido pelos bancos, na reunião anterior, de avaliarem uma nova proposta de aumento salarial, o grupo que negoceia pelos bancos disse, no último encontro, que 2não tinha tido tempo para refletir sobre a sua posição à mesa das negociações”.

Além disso, acrescentou a Federação sindical, o grupo negociador dos bancos “partiu à ofensiva, exigindo [à Febase] uma nova contraproposta por escrito [até à próxima reunião], como prova da sua predisposição para negociar”.

Essa exigência levou a federação sindical a pedir a suspensão dos trabalhos e, no regresso, informou que não entendia a posição dos bancos “dado as negociações já estarem a decorrer, não existindo assim razão para tal ser efetuado por escrito”, considerou.

A reunião terminou com o agendamento de um novo encontro para 9 de maio, com a Febase a acusar no comunicado o grupo negociador pelos bancos de 2intransigência” e “prepotência”.

A Febase tem exigido aumentos salariais de 3%, bem acima dos 0,4% que os bancos propõem, o que justifica a inflação e os ganhos da economia, considerando que os bancos também têm beneficiado do melhor ambiente macroeconómico “como se comprova nos sinais de grande recuperação que têm vindo a dar, percetíveis nos resultados apresentados”.

Em março, o presidente do Sindicato dos Bancários do Norte disse à Lusa que os trabalhadores poderão avançar para manifestações caso os bancos não melhorem a sua proposta de aumento salarial, por considerarem “inaceitáveis” os 0,4% propostos.

“É tempo de os bancários começarem a ponderar ações de luta face a esta intransigência da banca”, afirmou então Mário Mourão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impasse: Sindicatos pedem 3% de aumento salarial, mas bancos propõem apenas 0,4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião