Rácios mais fortes são arma para resolver malparado da banca, diz a DBRS

  • Rita Atalaia
  • 9 Abril 2018

A agência de notação canadiana alerta que os bancos continuam a enfrentar o desafio do crédito malparado. Mas reconhece que o reforço dos rácios de capital torna esta tarefa mais fácil.

Os resultados dos bancos portugueses, à exceção do Novo Banco, revelam sinais de recuperação no setor, reconhece a DBRS. Contudo, a agência de notação canadiana alerta que os bancos continuam a ter um desafio pela frente: reduzir o crédito malparado. Um problema que é agora mais fácil de solucionar, uma vez que os rácios de capital mais fortes oferecem uma “maior flexibilidade” para resolver este fardo que ainda pesa na rentabilidade.

“A DBRS considera que os resultados dos bancos portugueses para 2017 (à exceção do Novo Banco) mostram sinais fortes de recuperação e estão a beneficiar de uma melhoria do desempenho das atividades domésticas”, refere a agência canadiana numa nota. Mas deixa um alerta: ainda há desafios, nomeadamente a necessidade de limpar os empréstimos em incumprimento que ainda têm impacto negativo no balanço dos bancos.

"Os bancos portugueses ainda enfrentam desafios, incluindo a execução dos planos de redução de malparado. No entanto, a DBRS considera que os bancos têm atualmente uma maior flexibilidade para enfrentarem estes desafios, apoiados pela melhoria das posições de capital e financeira, reforço dos níveis de cobertura de NPL [crédito malparado] e recuperação económica de Portugal.”

DBRS

Os bancos portugueses ainda enfrentam desafios, incluindo a execução dos planos de redução de malparado. No entanto, a DBRS considera que os bancos têm atualmente uma maior flexibilidade para enfrentarem estes desafios, apoiados pela melhoria das posições de capital e financeira, reforço dos níveis de cobertura de NPL [crédito malparado] e recuperação económica de Portugal”, nota a agência de notação.

Segundo a DBRS, o rácio CET1 médio, totalmente implementado, dos bancos portugueses foi de 12,7% no final do ano passado, o que representa uma melhoria significativa face aos 9,9% registado no final de 2016. Os rácios de capital, refere a agência, “beneficiaram da emissão de dívida AT1 da CGD no valor de 500 milhões de euros e de dívida AT2 do BCP no montante de 300 milhões de euros”.

O Banco de Portugal também já veio reconhecer esta melhoria. Nos dados estatísticos do sistema bancário português, o banco central destacou os rácios de fundos próprios do sistema bancário que “aumentaram no quarto trimestre de 2017, em resultado do incremento dos capitais próprios”. O rácio de fundos próprios totais situou-se em 15,2% em dezembro de 2017, tendo aumentado 0,5 p.p. face a setembro de 2017, disse. Face ao final do ano anterior, o aumento é mais expressivo. Estava em 12,3%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rácios mais fortes são arma para resolver malparado da banca, diz a DBRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião