Rácios mais fortes são arma para resolver malparado da banca, diz a DBRS

  • Rita Atalaia
  • 9 Abril 2018

A agência de notação canadiana alerta que os bancos continuam a enfrentar o desafio do crédito malparado. Mas reconhece que o reforço dos rácios de capital torna esta tarefa mais fácil.

Os resultados dos bancos portugueses, à exceção do Novo Banco, revelam sinais de recuperação no setor, reconhece a DBRS. Contudo, a agência de notação canadiana alerta que os bancos continuam a ter um desafio pela frente: reduzir o crédito malparado. Um problema que é agora mais fácil de solucionar, uma vez que os rácios de capital mais fortes oferecem uma “maior flexibilidade” para resolver este fardo que ainda pesa na rentabilidade.

“A DBRS considera que os resultados dos bancos portugueses para 2017 (à exceção do Novo Banco) mostram sinais fortes de recuperação e estão a beneficiar de uma melhoria do desempenho das atividades domésticas”, refere a agência canadiana numa nota. Mas deixa um alerta: ainda há desafios, nomeadamente a necessidade de limpar os empréstimos em incumprimento que ainda têm impacto negativo no balanço dos bancos.

"Os bancos portugueses ainda enfrentam desafios, incluindo a execução dos planos de redução de malparado. No entanto, a DBRS considera que os bancos têm atualmente uma maior flexibilidade para enfrentarem estes desafios, apoiados pela melhoria das posições de capital e financeira, reforço dos níveis de cobertura de NPL [crédito malparado] e recuperação económica de Portugal.”

DBRS

Os bancos portugueses ainda enfrentam desafios, incluindo a execução dos planos de redução de malparado. No entanto, a DBRS considera que os bancos têm atualmente uma maior flexibilidade para enfrentarem estes desafios, apoiados pela melhoria das posições de capital e financeira, reforço dos níveis de cobertura de NPL [crédito malparado] e recuperação económica de Portugal”, nota a agência de notação.

Segundo a DBRS, o rácio CET1 médio, totalmente implementado, dos bancos portugueses foi de 12,7% no final do ano passado, o que representa uma melhoria significativa face aos 9,9% registado no final de 2016. Os rácios de capital, refere a agência, “beneficiaram da emissão de dívida AT1 da CGD no valor de 500 milhões de euros e de dívida AT2 do BCP no montante de 300 milhões de euros”.

O Banco de Portugal também já veio reconhecer esta melhoria. Nos dados estatísticos do sistema bancário português, o banco central destacou os rácios de fundos próprios do sistema bancário que “aumentaram no quarto trimestre de 2017, em resultado do incremento dos capitais próprios”. O rácio de fundos próprios totais situou-se em 15,2% em dezembro de 2017, tendo aumentado 0,5 p.p. face a setembro de 2017, disse. Face ao final do ano anterior, o aumento é mais expressivo. Estava em 12,3%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rácios mais fortes são arma para resolver malparado da banca, diz a DBRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião