Lucros da Sumol+Compal recuam 12,4% em 2017 para 9,2 milhões

  • Lusa
  • 20 Abril 2018

Esta variação é justificada pelo desempenho no mercado angolano: ali, as vendas registaram um decréscimo de 10,3%. As exportações representam quase um terço dos lucros da empresa.

Os lucros da Sumol+Compal recuaram 12,4% em 2017, face ao ano anterior, para 9,2 milhões de euros, segundo informou hoje a empresa.

“Os lucros líquidos atingiram os 9,2 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 12,4% face aos 10,5 milhões de euros do período homólogo”, lê-se no comunicado enviado à imprensa.

De acordo com a empresa, o recuo verificado incorpora “o impacto de 0,3 milhões de euros, resultante da aplicação, no exercício de 2017, do IAS 29 [‘International Accounting Standard’] que considera a economia angolana como hiperinflacionária”. As vendas totais da empresa de bebidas não alcoólicas atingiram, no período de referência, 347,7 milhões de euros, tendo as vendas em Portugal crescido 2,3% para 251,7 milhões de euros, “um novo máximo histórico”.

Nos mercados internacionais, as vendas atingiram 96 milhões de euros, menos 4,2% em comparação com o valor obtido em 2016. “Esta variação é justificada pela ‘performance’ [desempenho] no mercado angolano, onde as vendas líquidas registaram um decréscimo de 10,3% para 60,6 milhões de euros”, explicou.

A unidade de mercado de exportação registou um volume de negócios de 28,3 milhões de euros, o que se traduz num crescimento de 5,2%, em comparação com o ano anterior, suportado pelas vendas no mercado europeu, que cresceram 8,3% em valor. As vendas realizadas nos mercados internacionais representam 27,6% das vendas totais da empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Sumol+Compal recuam 12,4% em 2017 para 9,2 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião