Presidente da República quer finanças públicas saudáveis “ao serviço das pessoas”

  • Lusa
  • 20 Abril 2018

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou que as finanças públicas saudáveis "não são um fim em si mesmo", mas antes "um fim ao serviço das pessoas".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou que as finanças públicas saudáveis “não são um fim em si mesmo”, mas antes “um fim ao serviço das pessoas”.

“É evidente que todos sabemos que as finanças públicas não são um fim em si mesmo, são um fim ao serviço das pessoas, como toda a atividade económica, social e política”, afirmou o Presidente da República, na sessão de abertura da conferência Investimento empresarial e o crescimento da economia portuguesa, que decorre esta tarde no auditório da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Marcelo alertou contudo para a importância do controlo orçamental: “A nossa experiência, nalguns casos amarga, demonstrou que se trata de uma realidade instrumental ‘sine qua non’, sem a qual outras virtualidades no domínio económico e social se tornam muito difíceis” ou mesmo “impossíveis”.

“Nunca é demais recordar alguns dos progressos registados nos últimos anos e que fazem de Portugal um caso de sucesso na cena internacional”, destacou Marcelo Rebelo de Sousa, referindo aspetos como o crescimento económico, que, “aferido pelo pela evolução do PIB [produto interno bruto], regista taxas que há muito não se verificavam, impulsionado pelas exportações e pelo investimento”.

Mas “precisamos de crescer mais”, exortou, sustentando que só “com a criação de riqueza podemos elevar a qualidade de vida a que muitas portuguesas e portugueses aspiram”.

O desemprego, “depois de ter atingido níveis historicamente muito elevados”, regista hoje “valores relativamente baixos” e “mantém a tendência descendente, sendo necessário recuar quase 14 anos” para encontrar taxas inferiores às atuais.

Também “o desequilíbrio externo foi parcialmente corrigido”, passando de uma situação de “défice crónico” e “muito elevado” para, “nalgumas das suas dimensões, excedente nas contas externas e sobretudo progressiva e desejável diminuição do endividamento público”.

O Programa de Estabilidade, “apresentado [pelo Governo] este mês, a cumprir-se prevê um excedente nas consta públicas em 2020, no seguimento de uma redução contínua do défice orçamental para valores nunca verificados no período democrático”, sublinhou ainda o chefe de Estado, considerando que se trata de um “percurso iniciado há quase oito anos, com o anterior Governo, e prosseguido, de modo determinado e muito consequente pelo atual [Governo]”.

Paralelamente, reconheceu, “a dívida pública, em percentagem do PIB, depois de um período de aumentos significativos, mantém a trajetória descendente, que deverá manter-se nos próximos anos”.

Mas, sustentou, “as finanças públicas não são um fim em sim mesmo, são um fim ao serviço das pessoas”.

A conferência ‘Investimento empresarial e o crescimento da economia portuguesa’ surge no contexto da conclusão de um estudo desenvolvido por uma equipa de investigadores das universidades de Coimbra (UC) e do Minho (UM).

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da República quer finanças públicas saudáveis “ao serviço das pessoas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião