Moody’s afinal não avaliou Portugal

Ainda não é desta que a Moody's decide tirar Portugal do lixo. A decisão de tirar Portugal do lixo vai ter de esperar até 12 de outubro data em que estava prevista a segunda avaliação deste ano.

Quase sete anos depois, a Moody’s continua a não tirar Portugal do lixo. A agência de notação financeira decidiu esta sexta-feira não tomar qualquer decisão sobre dois países relativamente aos quais se deveria pronunciar hoje: Portugal e Barém. De fora também ficou a cidade de Astana. A decisão de tirar Portugal do lixo poderá só acontecer a 12 de outubro, data em que estava prevista a segunda avaliação.

Portugal vai assim ter de continuar à espera para ser avaliado com nível de investimento por todas as agências de rating, apesar de os investidores considerarem que o país deveria ter uma notação seis níveis acima do atual. Na classificação da Moody’s, Portugal tem uma nota ‘Ba1’ com perspetiva positiva.

Muitos dos analistas que seguem a economia portuguesa acreditavam que a Moody’s iria rever em alta a notação, até porque, em setembro de 2017 a agência passou o outlook de Portugal de estável para positivo. Este é normalmente o passo que antecede a revisão em alta da notação. Mas a gestora da dívida pública portuguesa, Cristina Casalinho, tem-se mostrado mais cautelosa: “No seu último relatório, a Moody’s indica um intervalo de 12 a 18 meses, mas com maior probabilidade 12 meses, para decidir sobre o rating de Portugal”, disse ao ECO a presidente do IGCP. Isto apesar de Portugal ter ido além das metas definidas pela agência. “Considerando os fatores de risco enunciados pela Moody’s, constata-se que Portugal tem apresentado uma evolução mais favorável que as previsões iniciais da agência de rating”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s afinal não avaliou Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião