As frases mais marcantes de Centeno à frente do Eurogrupo

  • Lusa
  • 21 Abril 2018

Eleito para um mandato de dois anos e meio, Centeno é o terceiro presidente do Eurogrupo. Estas são as frases mais marcantes dos primeiros 100 dias do seu mandato.

A passagem simbólica de testemunho entre Jeroen Dijsselbloem e Mário Centeno.European Council Newsroom

Mário Centeno foi eleito em dezembro para a liderança do Eurogrupo, recebendo o “testemunho” de Jeroen Dijsselbloem, em 12 de janeiro, estando prestes a completar 100 dias na liderança do fórum de ministros da zona euro.

Eleito para um mandato de dois anos e meio, Centeno é o terceiro presidente do Eurogrupo, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker e do holandês Jeroen Dijsselbloem.

Seleção de frases sobre os 100 dias de Mário Centeno na liderança do Eurogrupo

Estou muito motivado para liderar o Eurogrupo nos próximos dois anos e meio. Agradeço ao Jeroen [Dijsselbloem] pelo trabalho duro e pelos compromissos que conseguimos atingir nos últimos cinco anos. Muito foi feito. Saímos da crise, mas o trabalho ainda não acabou, certamente nunca está, mas a janela de oportunidade que temos agora em termos políticos e económicos deve ser usada para completar a reforma das instituições da zona euro.”
Cerimónia de passagem de testemunho da presidência do Eurogrupo do holandês Jeroen Dijsselbloem para Mário Centeno
12-01-2018

É muito motivante aquilo que nos espera nos próximos dois anos e meio, mostraremos todo o empenho no processo de construção de uma Europa mais robusta e mais resistente a crises, que é aquilo que os decisores políticos têm como obrigação fazer para com os seus cidadãos, numa relação transparente e que traga previsibilidade à vida de todos nós.”
12-01-2018

Portugal tem, obviamente, imenso a ganhar – como todos os outros países – da superação destes desafios que agora enfrentamos e vamos dar o nosso melhor.”
12-01-2018

Estamos agora num momento-chave na zona euro e temos uma oportunidade única nos próximos meses que não pode ser desperdiçada. A notícia que recebemos da Alemanha apenas reforça esta janela de oportunidade.”

Em referência ao acordo de princípio para a formação de um novo governo na Alemanha
12-01-2018

“Portugal é um dos mais importantes ‘case study’ na Europa nestes dias.”
17-01-2018

Politicamente, é muito importante que neste momento em concreto possamos olhar para a expansão da zona euro com muito otimismo e com muita determinação. Temos naturalmente de criar condições para que isso aconteça.”
22-01-2018

Sobre a Grécia há boas notícias. Alcançámos um acordo político sobre a terceira revisão do programa do Mecanismo Europeu de Estabilidade. Saudámos a adoção de quase todas as ações prévias e mandatámos o grupo de trabalho do Eurogrupo para verificar a conclusão das restantes nas próximas semanas.”
22-01-2018

“Sobre a Grécia, há excelentes notícias: as instituições informaram que a Grécia atuou em todas as ações prévias. Foi um esforço tremendo do Governo grego, que está a demonstrar forte responsabilização do programa. De todas as 110 ações prévias, só duas estão ainda pendentes, e estão fora do controlo do Governo. Estou confiante de que poderão ser desobstruídas em breve pelas instituições.”
19-02-2018

Depois de ter estado focado, durante muitos anos, na gestão de crises, o Eurogrupo pode finalmente virar todas as suas atenções para o processo de completar a arquitetura da UEM [União Económica e Monetária]”.
20-02-2018

“Sou favorável a que se discutam várias opções, porque a verdade é que o orçamento europeu precisa de novas fontes de financiamento para fazer face aos desafios da União.”
20-02-2018

Eu, enquanto presidente do Eurogrupo, recomendaria a todos os países da área do euro manterem o excelente trabalho que tem sido feito em cada um desses países no sentido de promover a estabilidade das contas públicas, a estabilidade do sistema financeiro e a melhoria da competitividade da área do euro.”
21-02-2018

“[Se os problemas existentes não forem resolvidos,] a próxima crise virá mais cedo e pode doer tanto [como a anterior]. Não estamos ainda totalmente a salvo.”
01-03-2018

“Quanto à reforma do MEE [Mecanismo Europeu de Estabilidade], estamos a fazer bons progressos. Há um apoio alargado para reforçar o papel do MEE na gestão de crises no atual quadro institucional, evitando ao mesmo tempo duplicações com a Comissão Europeia.”
12-03-2018

“A União Bancária é uma prioridade. (…) Completar a União Bancária, com os três pilares, será uma grande conquista para nós neste ano.
20-03-2018

O Eurostat preconiza um registo da capitalização da CGD [Caixa Geral de Depósitos] no défice de 2017 que está errado. É contrário à decisão da Comissão Europeia, contraria os tratados europeus e não representa condignamente o investimento feito na CGD pelo seu acionista, o Estado português.”
25-03-2018

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As frases mais marcantes de Centeno à frente do Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião