Andrea Nahles é a primeira mulher a presidir ao SPD alemão

  • ECO e Lusa
  • 22 Abril 2018

Ex-ministra do Trabalho derrotou a candidata Simone Lange e tornou-se a primeira mulher a liderar o SPD alemão em 154 anos de História.

Andrea Nahles tornou-se este domingo a primeira mulher a presidir o Partido Social-Democrata (SPD) alemão, em 154 anos de História. Sucede a Martin Schulz. A eleição aconteceu num congresso que decorre em Wiesbaden, com Nahles a contar com os votos favoráveis de 66% dos delegados do partido, segundo o jornal El País.

Nahles, ex-ministra do Trabalho e líder da bancada parlamentar do SPD, concorreu à presidência do partido numa corrida que contou, também, com outra candidata. Tratou-se de Simone Lange, menos conhecida, mesmo dentro do seu partido. Lange apresentou-se como sendo uma “alternativa real” para um partido que, defendeu, “não pode demorar mais tempo” a renovar-se.

Agora, Andrea Nahles terá pela frente a tarefa de renovar o SPD e dar-lhe mais popularidade, depois da derrota histórica nas últimas eleições, em que conseguiu apenas 20,5% dos votos. O partido aceitou, depois, coligar-se com Angela Merkel.

Já este domingo, ainda antes de ser conhecido o resultado, Andrea Nahles discursou e pediu os votos dos elementos do partido para presidir à organização, a mais antiga da Alemanha, com o compromisso de avançar com a sua renovação. “Hoje, aqui, vamos quebrar um teto de vidro”, garantiu Andrea Nahles, durante um discurso perante o congresso do seu partido.

A política recordou ainda o difícil caminho percorrido pelo partido até aceitar entrar numa nova grande coligação com a chanceler Angela Merkel. “Podemos renovar-nos a partir de dentro da grande coligação”, prometeu Andrea Nahles, descrevendo o SPD como “defensor da justiça social” e depois de recordar algumas das conquistas do partido, como a aplicação do salário mínimo interprofissional, conseguida na legislatura anterior, quando era ministra do Trabalho.

Andrea Nahles terminou o seu discurso com um apelo à unidade: “podemos consegui-lo, mas não é coisa para uma só pessoa, mas para todos juntos”.

Esta foi a primeira disputa entre duas candidaturas vivida pelo SPD desde que, em 1995, Oskar Lafontaine ganhou a presidência a Rudolf Scharping, e o quarto congresso do partido num ano.

(Notícia atualizada às 16h31 com resultado da votação e eleição de Nahles)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Andrea Nahles é a primeira mulher a presidir ao SPD alemão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião