Governo guardou durante 20 meses auditoria muito crítica para Santana Lopes

  • ECO
  • 23 Abril 2018

Vieira da Silva demorou 20 meses para homologar auditoria à SCML. Relatório só seguiu para o Tribunal de Contas depois das eleições internas do PSD, diz o Público. Ministério desmente suspeitas.

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, demorou 20 meses para homologar o relatório de auditoria à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, pedido ainda no tempo de Mota Soares. O relatório da Inspeção-Geral do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (IGMTSSS) ficou concluído em maio de 2016, mas só foi homologado em janeiro deste ano. E foi só no final de janeiro, já depois das eleições do PSD, que foi enviado à Misericórdia e ao Tribunal de Contas, para apreciação das infrações financeiras, escreve o jornal Público. Em nota enviada à comunicação social, o Ministério do Trabalho “desmente categoricamente todas as suspeitas levantadas”.

O Público (acesso condicionado) escreve na edição desta segunda-feira que apenas a investigação do Ministério Público, ainda em curso e em segredo de Justiça, aos contratos celebrados entre a SCML e alguns dos seus fornecedores entre 2012 e 2014, é que não terá sido prejudicada por aquele atraso. E isto porque a Polícia Judiciária estaria a investigar o assunto, desde meados de 2015, e não porque a inspeção tenha comunicado ao Ministério Público os indícios criminais detetados pelos seu auditores.

Vieira da Silva, contactado pelo Público, desvaloriza a demora registada na apreciação do relatório e afirma que “esse prazo não de destaca da média do tempo gasto na análise em processo de igual complexidade”. Aliás, o ministro garante mesmo que os respetivos processos “nunca estiveram parados ou retidos no gabinete do ministro, tendo apenas percorrido o circuito normal de análise e pareceres pelos serviços do ministério fundamentais para a tomada de uma decisão esclarecida sobre a homologação ou não homologação”.

O ministro afirma que o relatório da auditoria só lhe chegou às mãos em junho de 2016 e que “dada a sua complexidade e dimensão” o seu gabinete “entendeu pedir esclarecimentos adicionais à IGMTSS”, tendo sido depois enviado à secretaria-geral do ministério para análise jurídica.

Mas a morosidade não se fica apenas pela auditoria. O ministério de Vieira da Silva foi também lento a aprovar o relatório anual de atividades da IGMTSS, referente a 2015, o que só viria a acontecer a 21 de dezembro de 2017, exatamente o mesmo dia em que foi aprovado o relatório de atividades de 2016, concluído em abril de 2017. Já a publicação destes relatórios no site da secretaria-geral do ministério foi feita apenas em março.

A meio da manhã, o Ministério do Trabalho enviou uma nota à comunicação social, em que “desmente que tenha existido algum tratamento diferenciado na homologação da auditoria da Inspeção Geral do MTSSS à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa”. “O Ministério desmente categoricamente todas as suspeitas levantadas pela notícia hoje publicada pelo jornal Público”, remata a mesma nota.

(notícia atualizada às 10h43, acrescentando nota do Ministério do Trabalho)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo guardou durante 20 meses auditoria muito crítica para Santana Lopes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião