Profissionais de saúde receberam 112 milhões em patrocínios

  • ECO
  • 23 Abril 2018

Os profissionais de saúde foram os que mais beneficiaram dos patrocínios da indústria financeira. Para a Ordem dos Médicos, os valores são elevados, mas não põem em causa a independência.

Os profissionais de saúde foram os que mais beneficiaram dos patrocínios da indústria financeira. Nos últimos três anos, médicos, farmacêuticos, enfermeiros e dentistas receberam 112 milhões de euros, ou seja, mais de metade do total de patrocínios registado pelo Infarmed. Para o bastonário dos Médicos, os valores são elevados, mas Miguel Guimarães garante que não colocam em causa a independência das decisões tomadas pelos profissionais.

No ano passado, os valores registados na plataforma de transparência do Infarmed — a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde — atingiram um recorde: 80,9 milhões de euros, entre eles 42 milhões para os profissionais de saúde, avança a TSF. Segundo os números, nos últimos três anos, o grupo de profissionais de saúde foi sempre o maior beneficiário dos apoios das empresas do setor: 31,3 milhões em 2015, 38,5 milhões em 2016 e agora 42 milhões em 2017.

Ao todo, nos últimos três anos, os profissionais de saúde receberam 112 milhões de euros em patrocínios, mais de metade do total da indústria farmacêutica registado pelo Infarmed. Ou seja, 220 milhões. Os segundos maiores beneficiários dos apoios são as sociedades médicas ou associações de investigação, seguindo-se as associações de doentes ou profissionais.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, são valores muito elevados. Mas Miguel Guimarães garante que não colocam em causa a independência das decisões tomadas pelos profissionais, sublinhando que é a única área onde tem de se declarar publicamente ao Infarmed os apoios que recebem, afirma à TSF. Além disso, o bastonário acusa o Governo de entregar a investigação e formação dos médicos quase exclusivamente à indústria farmacêutica, o que, na sua opinião, não faz sentido.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Profissionais de saúde receberam 112 milhões em patrocínios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião