Escolas são o melhor serviço público. Tribunais, o pior

  • ECO
  • 24 Abril 2018

Um em cada três portugueses considera que escolas prestam um serviço "bom" ou "muito bom", revela Aximagem. Quatro em cada dez inquiridos classifica como "mau" ou "muito mau" trabalho dos tribunais.

O Programa de Estabilidade vai estar esta terça-feira em discussão no Parlamento. Entre os temas em cima da mesa estará a qualidade dos serviços públicos, um dos pontos de discórdia entre o Governo e os partidos que o apoiam. E os portugueses? Como avaliam o estado destes serviços? Segundo os números da Aximage, quando desafiados a dar uma nota de avaliação pelos serviços prestados pelo Estado, as escolas são as mais bem qualificadas, enquanto os tribunais aparecem em último lugar.

De acordo com o questionário da Aximage, citado pelo Jornal de Negócios (acesso pago), as escolas públicas merecem 12 valores em 20. Ou seja, um em cada três portugueses considera que prestam um serviço “bom” ou “muito bom”. Quatro em cada dez dizem que é “suficiente” e apenas 14% consideram que o serviço prestado pelas escolas é “mau”.

Logo a seguir às escolas, surgem os registos e notariado, com 12 valores, enquanto os centros de emprego têm dez. Na saúde, outro dos temas que tem sido alvo de muito escrutínio, os hospitais têm dez valores, enquanto é atribuída uma nota de 11 aos centros de saúde.

Aos tribunais, que estão no fundo da tabela, os portugueses atribuem uma nota baixa: oito valores. Quatro em cada dez inquiridos classifica como “mau” ou “muito mau” o trabalho dos tribunais. E apenas um em dez faz uma avaliação positiva da Justiça. Os centros de Segurança Social também não estão muito melhor: os portugueses dão nove valores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escolas são o melhor serviço público. Tribunais, o pior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião