Escolas públicas sobem no ranking mas só aparecem em 28.º lugar

  • Lusa
  • 3 Fevereiro 2018

Colégios privados dominam os 27 primeiros lugares dos exames nacionais do secundário. É no Porto que estão as escolas públicas e privadas com as melhores classificações.

Os primeiros 27 lugares das escolas com melhores médias nos exames nacionais do secundário são ocupados por colégios privados, registando-se uma subida de cinco lugares das escolas públicas no ranking elaborado pela Lusa.

É no Porto que se encontram as escolas pública e privada com melhores resultados nos exames do secundário, segundo um ranking elaborado pela agência Lusa tendo em conta as médias dos alunos internos das escolas onde se realizaram mais de cem provas.

Os alunos do Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, voltaram a destacar-se ao conseguirem a melhor média nacional, com 15,02 valores em 479 exames realizados.

Numa lista de 521 estabelecimentos de ensino, a primeira escola pública surge em 28.º lugar, graças aos estudantes da Secundária Garcia de Orta, também no Porto, que fizeram 796 exames e obtiveram uma média de 12,91 valores.

Comparando com o ano anterior, quando os primeiros 33 lugares da lista foram ocupados por privados, verifica-se uma ligeira subida das escolas públicas.

As dez escolas públicas com melhores resultados encontram-se nos primeiros 50 lugares da lista, sendo que, muitas vezes, as diferenças entre elas só são percetíveis olhando para as centésimas.

Tal como nos outros anos, as escolas com melhores classificações são frequentadas, maioritariamente, por alunos de famílias sem dificuldades financeiras e com pais com formação superior ou, pelo menos, com o 12.º ano.

É na cidade de Lisboa que se encontra metade das escolas do top 10 deste ‘ranking’ de 521 estabelecimentos: os colégios Manuel Bernardes, São João de Brito e Santa Doroteia (em 2.º, 3.º e 4.º lugares, respetivamente) assim como o Salesianos de Lisboa e o Valsassina (em 7.º e 9.º). O Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga, é o quinto classificado, seguindo-se o Colégio St. Peter’s School, em Palmela, em oitavo lugar o Colégio Nova Encosta, de Paços de Ferreira, e em décimo os Salesianos do Estoril.

Também entre os estabelecimentos de ensino público, os melhores resultados voltam a destacar as escolas que já se distinguiram noutros anos. Em primeiro e quarto lugar aparecem secundárias do Porto – a Garcia de Orta e a Clara de Resende – que são separadas por duas escolas de Lisboa – a D. Filipa de Lencastre e a do Restelo.

A escola Eça de Queiroz, na Póvoa do Varzim, e a Infanta Dona Maria, em Coimbra, aparecem em quinto e sexto lugar da lista, onde volta a aparecer um estabelecimento de ensino do distrito de Lisboa: a Escola Secundária Sebastião e Silva, em Oeiras.

A Escola Secundária Alves Martins, em Viseu, e a Secundária da Quinta do Marquês, em Oeiras, e a Carlos Amarante em Braga ainda fazem parte do top 10, onde as médias variam apenas algumas décimas: a média da escola que fica em primeiro lugar é de 12,91 e a média da escola que aparece em décimo é de 12,22 valores.

No fim da lista deste ranking aparecem, invariavelmente, escolas inseridas em bairros mais carenciados e onde a grande maioria dos alunos tem apoio social escolar e os pais têm pouca escolaridade, fatores que condicionam o sucesso académico dos estudantes.

Este ano, os resultados mais fracos voltaram a registar-se em escolas inseridas em realidades distintas, desde o Barreiro, no distrito de Setúbal, as ilhas dos Açores e Madeira e em Timor-Leste, onde se verificaram médias negativas e disparidades significativas entre a média de exame e a média da nota atribuída pela escola aos alunos (CIF).

Os dez melhores colégios privados

Escola Distrito Média CIF Média Exame (Valor) Média Exame (%)

Colégio Nossa Senhora do Rosário Porto 17,38 15,02 150,25

Colégio Manuel Bernardes Lisboa 15,35 14,71 147,11

Colégio São João de Brito Lisboa 14,78 14,67 146,73

Colégio de Santa Doroteia Lisboa 15,00 14,47 144,74

Colégio D. Diogo de Sousa Braga 17,25 14,44 144,41

Salesianos de Lisboa Lisboa 15,35 14,33 143,38

Colégio Nova Encosta Porto 15,78 14,12 141,247

Colégio Valsassina Lisboa 14,81 14,06 140,69

Salesianos do Estoril – Escola Lisboa 14,86 13,92 139,29

…e dez piores classificados

Escola Distrito Média CIF Média Exame (Valor) Média Exame (%)

Escola Secundária Seomara da Costa Primo Lisboa 12,62 8,40 84,02

Escola Portuguesa de São Tomé e Príncipe Estrangeiro 13,8 8,38 83,84

Escola Básica e Secundária de Santa Maria R. A. Açores 13,48 8,31 83,10

Escola Básica e Secundária Prof. Mendes Remédios, Nisa Portalegre 12,54 8,30 83,04

Escola Básica e Secundária da Povoação R. A. Açores 12,42 8,25 82,59

Escola Secundária Matias Aires, Mira-Sintra Lisboa 12,51 8,22 82,27

Escola Secundária D. Manuel Martins Setúbal 12,66 8,10 81,03

Escola Portuguesa Ruy Cinatti, Díli Estrangeiro 12,63 7,60 76,02

Escola Básica e Secundária de Nordeste R. A. Açores 12,96 7,38 73,85

Escola Básica e Secundária de Santo António Setúbal 12,90 7,07 70,78

 

As dez melhores escolas públicas

Escola Distrito Média CIF Média Exame (Valor) Média Exame (%)

Escola Secundária Garcia de Orta Porto 14,69 12,91 129,11

Escola Básica e Secundária D. Filipa de Lencastre Lisboa 13,88 12,57 125,77

Escola Secundária do Restelo Lisboa 13,82 12,54 125,40

Escola Básica e Secundária Clara de Resende Porto 14,82 12,36 123,60

Escola Secundária Eça de Queirós, Póvoa de Varzim Porto 14,18 12,33 123,32

Escola Secundária Infanta D. Maria, Coimbra Coimbra 14,64 12,266 122,66

Escola Secundária Sebastião e Silva Lisboa 13,44 12,25 122,55

Escola Secundária Alves Martins Viseu 14,58 12,23 122,35

Escola Secundária da Quinta do Marquês Lisboa 14,61 12,23 122,30

Escola Secundária Carlos Amarante Braga 14,48 12,22 122,21

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escolas públicas sobem no ranking mas só aparecem em 28.º lugar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião