Serviço militar obrigatório facilita acesso à pensão na Segurança Social

  • ECO
  • 24 Abril 2018

O Governo quer que os anos de serviço militar obrigatório passem a contar para a carreira contributiva. Até agora, apenas influenciavam o valor das pensões.

Os anos de serviço militar obrigatório vão passar a facilitar o acesso à reforma no regime geral de Segurança Social. Esta é uma das medidas do Governo prevista na proposta de decreto-lei de execução orçamental que determina que os anos de serviço sejam tidos em conta na contabilização da carreira contributiva e nos prazos de garantia dos trabalhadores que descontam para o regime geral, avança o Público (acesso condicionado). Isto permitirá acelerar o momento em que podem reformar-se, diminuir os cortes por reforma antecipada ou obter bonificações na sua pensão.

Até agora, o serviço militar obrigatório (que acabou definitivamente em 2004) apenas tinha relevância para efeitos da taxa de formação da pensão, influenciando o valor a que tem direito. Mas isto vai mudar. O serviço militar obrigatório passará a ser considerado na contabilização dos prazos de garantia que permitem aceder à pensão. Por exemplo, uma pessoa com 14 anos de registos de remunerações e que cumpriu o serviço militar não tem, atualmente, direito a pensão. Com estas alterações, poderá ter.

Segundo o documento a que o jornal teve acesso, o Governo prevê ainda que os anos de serviço militar obrigatório influenciem o fator de redução ou de bonificação a aplicar no cálculo da pensão. Para Filomena Salgado Oliveira, especialista da FSO Consultores, o “principal impacto” vai sentir-se “nas bonificações e na redução das penalizações, estas últimas aplicáveis sempre que o beneficiário passe à situação de reforma antes da idade normal de reforma”.

Questionada pelo Público, fonte oficial do Ministério do Trabalho e da Segurança Social disse não se pronunciar sobre “versões preliminares ou não oficiais” do decreto-lei de execução orçamental.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Serviço militar obrigatório facilita acesso à pensão na Segurança Social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião