Há funcionários públicos à espera do descongelamento das carreiras para pedir reforma

  • ECO
  • 11 Abril 2018

Sindicatos preveem uma quebra nas saídas para aposentação, mas avisam que é muito reduzido o impacto, no valor das pensões, do acréscimo salarial que resulta do descongelamento das carreiras.

Há funcionários públicos a adiar a entrada na reforma para que a pensão possa ser calculada já com o acréscimo remuneratório que resulta do descongelamento das carreiras. Os sindicatos avisam que o impacto deste aumento salarial na pensão é muito reduzido, mas preveem uma quebra nas saídas para a reforma, escreve o Dinheiro Vivo.

“Temos muitos trabalhadores a dizerem-nos que vão esperar pelo pagamento integral das progressões antes de se reformarem. Aconselhamos que peçam uma simulação à Caixa Geral de Aposentações antes de tomarem uma decisão”, diz o secretário-geral da Fesap, José Abraão.

Também Mário Nogueira, da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), confirma que há colegas à espera do descongelamento já que para muitos isso significa reformarem-se no topo da carreira, com uma remuneração de 3.365 euros em vez de 3.092 euros. “Se adiarem porque ainda não têm a idade legal para se reformarem, pode fazer alguma diferença, mas se for apenas para ficarem mais um ano ou dois [com o novo salário], a diferença na pensão é pequena”, refere.

O economista e membro do Conselho Consultivo da Caixa Geral de Aposentações (CGA), Eugénio Rosa, também entende que o impacto do descongelamento no valor das pensões é muito reduzido, embora saliente que, “para quem tem pouco, uns euros a mais por mês acabam por ser muito”, recordando que estes euros “ficam para o resto da vida e são pagos 14 vezes por ano”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há funcionários públicos à espera do descongelamento das carreiras para pedir reforma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião