Exclusão da morada dos avós domina queixas nas matrículas

  • ECO
  • 25 Abril 2018

As novas regras as matrículas estão a motivar muitas queixas por parte dos pais, nomeadamente pelo facto de, a partir de agora, não poderem usar a morada dos avós para a seleção da escola dos filhos.

As novas regras as matrículas, que entraram em vigor há duas semanas, estão a motivar muitas queixas por parte dos pais. Em causa está o facto de, a partir de agora, não poderem usar a morada dos avós para a seleção da escola dos filhos, de acordo com a Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap). O Ministério da Educação alterou as regras relativas às matrículas nas escolas e agora exige que os alunos vivam com os seus encarregados de educação e que tal seja confirmado pela Autoridade Tributária.

“A principal dúvida e preocupação tem que ver com os pais que se apoiam nos avós para levar os filhos à escola, para os levarem para casa no final das aulas”, afirma Jorge Ascensão, presidente da Confap, ao Diário de Notícias. O responsável lembra que, em alguns casos, os pais são “pessoas que se chegam a deslocar diariamente de um concelho para o outro, por razões profissionais”. É, por isso, “muito importante” a proximidade entre a escola e a casa dos avós, defende o presidente da confederação.

“Quando as escolas se cingirem à letra da lei, são de esperar situações complicadas”, nota Jorge Ascensão. “Esperamos que os nossos receios não se confirmem mas, desde que o despacho veio a público temos tido vários contactos, por escrito e por telefone, em que as pessoas nos perguntam: “O que vamos fazer?”.

Segundo o Ministério da Educação, o despacho das matrículas para o ano letivo de 2018/2019 pretende “reforçar os mecanismos de transparência e igualdade de oportunidades”. O diploma, que é publicado todos os anos pela tutela, exige que os alunos vivam com os seus encarregados de educação. E a informação terá de ser confirmada pela Autoridade Tributária.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exclusão da morada dos avós domina queixas nas matrículas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião